Tag: poéticos

20/03/2021

Poéticos – Cantares de Salomão

Velho Testamento

Autor: Salomão, de acordo com a tradição, também em Salomão 1:1 confirma que é o rei de Israel.

Este livro tem sido severamente criticado por causa da linguagem sensual. Seu direito a um lugar na bíblia tem sido defendido por muita gente religiosa de todas as épocas. Muitos o têm considerado como uma alegoria espiritual do afeto que existe entre Deus e seu povo escolhido, ou entre Cristo e sua igreja.

Data do Livro
1014 a.C. Salomão morreu mais ou menos no ano 992 a.C.

1. Histórico e literal:
Fala do amor entre homem e mulher (esposo e esposa). Mostra que este assunto merece um lugar na Bíblia porque é muito importante.

2. Simbólico somente.
Fala simbolicamente sobre o relacionamento entre Jesus Cristo e o Seu povo, os eleitos de Deus. Outros dizem que é Jesus Cristo e a Sua igreja. Tudo isso depende da sua idéia da noiva de Cristo.

3. Histórico e simbólico.
É um evento histórico e literal com um sentido simbólico. É isso que é a verdade. Simbolicamente fala sobre Jesus Cristo e a Sua noiva, a igreja dele.

Este é um Poema Oriental:
As expressões ardentes só podem ser devidamente interpretadas por uma mente espiritual madura.

Sinopse:

O noivo representa a Cristo; a noiva a Igreja.
1. “O mundo religioso” todo ensina que o reino de Deus, a família de Deus e a igreja de Jesus Cristo (a noiva de Cristo) são iguais ou idênticos. O reino de Deus – é todos os salvos na terra da época presente. A família de Deus – é todos os salvos de todas as épocas no céu e na terra. A igreja de Jesus Cristo – é local e visível, um corpo dos salvos batizados corretamente, pregando a verdade e guardando puro as ordenanças. A noiva de Jesus Cristo – os membros fiéis das igrejas de Cristo.
2. Jesus Cristo é chamado o noivo, então Ele tem que ter uma noiva. João 3:29.
3. A igreja verdadeira de Jesus Cristo é chamada a Sua noiva. Efésios 5:22-33. II Coríntios 11:2.
4. A noiva será os fiéis das igrejas do Senhor Jesus Cristo. Apocalipse 19:7-10.

A comunhão espiritual entre a noiva e o noivo celestial, 1:1-2:7.
A noiva perde seu companheiro e o busca, 2:8-3:5.
Os discursos ardentes do noivo e da noiva acerca de seu amor mútuo e os elogios de um para com o outro, 3:6-8:14.

Pensamento Chave: Meu amado, o título que os crentes dão a Cristo, 2:16.

Texto Companheiro. O salmo 45.

Ilustração Complementar:

Parte I.
O Noivo celestial.
Seu amor cobre todos os defeitos da noiva, Cantares 4:7.
Seu regozijo por ela, Isaías 62:5.
Deu sua vida por ela, Efésios 5:25.
Virá reclamá-la como sua, Mateus 25:6.

Parte II.
A noiva.
Ama ao noivo, Cantares 2:16.
Sente sua indignidade, Cantares 1:5.
Tem sido purificada e vestida com vestes imaculadas, Apocalipse 19:8.
Adornada com as jóias da graça divina, Isaías 61:10.
Oferece os convites para as bodas, Apocalipse 22:17.

A Festa das Bodas:
Preparada pelo Pai para o Filho, Mateus 22:2.
Preparações custosas, Mateus 22:4.
O convite é uma grande honra, Apocalipse 19:9.
Os convites, desprezados por minutos, Mateus 22:5.
Os convites incluem todas as classes, Mateus 22:10.
O fato de não usar roupas de bodas por descuido leva a sua exclusão, Mateus 22:11-13.

Põe-me como selo sobre o teu coração, como selo sobre o teu braço; porque o amor é forte como a morte; o ciúme é cruel como o Seol; a sua chama é chama de fogo, verdadeira labareda do Senhor.

Cantares 8:6
20/03/2021

Poéticos – Eclesiastes

Velho Testamento

Nome: Emprestado da Septuaginta. Na Bíblia hebraica é chamado Kohelet. Embora o significado desta palavra seja incerto, tem sido traduzida em português como “pregador”, ou alguém que dirige uma reunião.

Autor: Indeterminado, ainda que comumente se aceite que tenha sido Salomão, 1:1-2. Julgando pela história de sua vida encontrada na bíblia, muitas experiências relatadas ali parecem corresponder às que ele deve ter tido.

Quando foi escrito: 935 a.C.

Texto Chave: 12:13.

Palavras Chaves: Vaidade, e sob o sol. Cada uma destas expressões ocorre mais de vinte e cinco vezes.

Conteúdo:
O livro contém as reflexões e experiências de um filósofo cuja a mente estava em conflito sobre os problemas da vida.
Depois de falar das desilusões que havia tido, apresenta o enfoque do materialismo epicureu – que não há nada melhor que o gozo carnal dos prazeres da vida.
À medida que esta idéia aparece repetidamente através do livro, é evidente que o escritor lutava com ela, enquanto que ao mesmo tempo expressava verdades profundas acerca do dever e das obrigações do homem para com Deus.
Finalmente, parece sair de suas especulações e dúvidas até alcançar a conclusão nobre de 12:13: “Teme a Deus”, e guarda os seus mandamentos, pois isto é todo o dever do homem.

Sinopse:

Capitulos 1-2.
Introdução. Reflexões sobre a rotina monótona da vida, 1:1-11.

A busca de satisfação e felicidade do homem natural.
Não se encontra na aquisição de sabedoria, 1:12-18
Não se encontra no prazer mundano, 2:1-3.
Não se encontra na arte ou na agricultura, 2:4-6
Não se encontra nas grandes possessões, 2:7-11.

Conclusões.
O sábio é superior ao insensato, 2:12-21.
Do epicureu – não há nada melhor do que comer, beber e gozar a vida, 2:24-26.

Capitulo 3.
O ponto de vista do homem natural acerca da cansativa rotina da vida.
Há um tempo para tudo, 1-8.
A conclusão do materialista, 13-22.

Capitulo 4.
O estudo dos males sociais afasta da fé, vs.1-15.

Conclusão:
tudo é sem sentido e inútil, v.16.

Capitulo 5.
Conselhos acerca dos deveres religiosos, vs.1-7.
A insignificância das riquezas, vs.9-17.
A conclusão é – comer, beber e gozar a vida, vs.18-20.

Capitulo 6.
A falta de sentido de uma vida longa, vs.3-12.

Capitulo 7.
Uma série de ditos sábios, 1-24.
Conclusões acerca da mulher má, 25-28.

Capitulo 8.
Deveres civis, 1-5.
A incerteza da vida, 6-8.
A certeza do juízo divino, e as injustiças da vida, vs.10-14.
A conclusão epicuréia, v.15.
A obra de Deus e o homem, 16-17.

Capitulo 9.
Coisas similares sucedem aos justos e aos maus;
O túmulo é a meta da vida,
O homem é uma criatura de circunstâncias.

Conclusão epicuréia (1):
Comamos e bebamos porque amanhã morreremos, 1-9.
A sabedoria é preeminente, ainda que às vezes não seja apreciada, 13-18.

Capitulo 10.
Vários ditos sábios, o contraste entre a sabedoria e a insensatez, etc.

Capitulo 11.
Conselhos acerca da generosidade, 1-6.
Conselhos ao jovem, 9-10.

Capitulo 12.
Uma descrição poética da velhice, 1-7.
As últimas palavras do pregador
A a conclusão final acerca do dever primordial do homem, 8-14.


(1) Observações:

Epicuréia: (origem da palavra epicureu, do grego epikoúreios, do latim epicurēu)
Quem se entrega aos prazeres mundanos.

Epícuro (341–270 a.C.) foi um filósofo grego partidário de Demócrito. O essencial de sua obra reside no conceito de gozar os bens materiais e espirituais do mundo com ponderação e medida; de forma que a excelência desses bens seja percebida naquilo que há de melhor em sua natureza. Mas a doutrina de Epícuro foi desvirtuada por seus opositores, principalmente religiosos, que lutavam contra todas as formas de materialismo. Então o Epicurismo (Epicuréia, no feminino) tornou-se sinônimo de busca exclusivamente material; de volúpia e prazeres terrenos. Esta conotação foi usada para designar a Sociedade Epicuréia

Eu sei que tudo quanto Deus faz durará eternamente; nada se lhe pode acrescentar, e nada se lhe pode tirar; e isso Deus faz para que os homens temam diante dele: O que é, já existiu; e o que há de ser, também já existiu; e Deus procura de novo o que ja se passou.

Eclesiastes 3:14-15
20/03/2021

Poéticos – Provérbios

Velho Testamento

É uma coleção de Máximas Morais e Religiosas, possuidoras de instrução acerca da maneira correta de viver. Também contêm discursos breves sobre sabedoria, justiça, temperança, trabalho, pureza, etc.
Nestes ditos concretos e expressivos descreve-se um grande contraste entre a sabedoria e a insensatez, e entre a justiça e o pecado.

Autores: Acredita-se geralmente que Salomão escreveu um grande número dos provérbios, ainda que talvez estes possam não ter sido originalmente seus. Os capítulos 30 e 31 trazem palavras de Agur e de Lemuel.

Quando foi escrito: 950 – 700 a.C.

Propósito Principal: Dar instrução moral, especialmente aos jovens.

Texto Chave: 1:4.

Pensamento Chave: O temor do Senhor, mencionado cerca de quatorze vezes.

Sinopse:
Conselhos paternais e advertências, com exortações acerca da obtenção de sabedoria, capítulos 1-7.
Chamado da sabedoria capítulos 8-9.
Os provérbios de Salomão – contrastes entre o bem e o mal sabedoria e a insensatez, capítulos 10-20.
Máximas proverbiais e conselhos, capítulos 21-24.
Os provérbios de Salomão, copiados por homens do rei Ezequias, capítulos 25-29.
As palavras de Agur, o profeta, capítulo 30.
As palavras do rei Lemuel, o conselho de uma Mãe, 31:1-19. A descrição de uma esposa ideal, 31:10-31.

Porções Seletas:
Sabedoria, seu chamado, 1:20-23; capítulo 8;
sua fonte, 2-6;
sua preciosidade, 3:13-26;
a coisa principal, 4:5-13;>
o tesouro mais valioso, 8:11-36;
sua festa, 9:1-6.

Temas Tratados:
A ira, 14:17, 29; 15:18; 16:32; 19:11.
A generosidade, 3:9-10; 11:24-26; 14:21; 19:17; 22:9.
A correção dos filhos, 13:24; 19:18; 22:6; 15; 23:13-14.
Os tentadores, 4:14; 9:13; 16:29.
O temor de Deus, 1:7; 3:7; 9:10; 10:27; 14:26-27; 15:16; 33; 16:6; 19:23; 23:17; 24:21.
Insensatos, caluniadores, 10:18;
De vida curta, 10:21;
Desordeiros, 10:23;
Fariseus, 12:15;
Irritáveis, 12:16;
Zombadores do pecado, 14:9;
Faladores de estultícia, 15:2;
Insensíveis, 17:10;
Perigosos, 17:12;
Ilusórios, 17:24;
Intrometidos, 20:3;
Desprezadores da sabedoria, 23:9;
Estúpidos, 27:22;
Auto-confiantes, 14:16; 28:26;
Incautos, 29:11.
Amizade, 17:17; 18:24; 19:4; 27:10; 17.
Conhecimento Divino, 15:11; 21:2; 24:12.
Diligente, 6:6-11; 10:4-5; 12:27; 13:4; 15:19; 18:9; 19:15,24; 20:4; 13; 22:13; 24:30-34; 26:13-16.
Opressão, 14:31; 22:22; 28:16.
Orgulho, 6:17; 11:2; 13:10; 15:25; 16:18-19; 18:12; 21:4,24; 29:23; 30:13.
Prudência, 12:23; 13:16; 14:8,15,18; 15:5; 16:21; 18:6,19; 20:3; 22:10; 25:8; 30:33.
Zombadores, 3:34; 9:7; 14:6; 19:25; 24:9.
Contenda, 3:30; 10:12; 15:18; 16:28; 17:1,14,19; 18:6,19; 20:3; 22:10; 25:8; 30:33.
Temperança, 20:1; 21:17; 23:1-3,20; 23:29-35; 25:16; 31:4-7.
A língua, 4:24; 10:11-32; 12:6,18,22; 13:3; 14:3; 15:1-7,23; 16:13,23,27; 17:4; 18:2,21; 19:1; 20:19; 21:23; 26:28; 30:32.
Ganho injusto, 10:2; 13:11; 21:6; 28:8.
Riqueza, 10:2,15; 11:4,28; 13:7,11; 15:6; 18:8; 18:11; 19:4; 27:24; 28:6,22.
Mulheres más, 2:16-19; 5:3-14,20,23; 6:24-35; 7:5-27; 9:13-18.
Mulheres boas, 5:18-19; 31:10-31.

Lição Espiritual: Salomão foi um guia, mais que um exemplo. Mostrou o caminho da sabedoria, mas na última parte de sua vida, não caminhou por ele. Seu filho, Roboão, seguiu seu exemplo, em vez de seus conselhos, e se converteu num governante insensato e mau.

O receio do homem lhe arma laços; mas o que confia no Senhor está seguro. Muitos buscam o favor do príncipe; mas é do Senhor que o homem recebe a justiça. O ímpio é abominação para os justos; e o que é reto no seu caminho é abominação para o ímpio.

Provérbios 29:25-27
20/03/2021

Poéticos – Salmos

Velho Testamento

São cento e cinqüenta cânticos e poemas espirituais usados em cultos e devocionais da igreja de todas às épocas. Compunham o hinário do segundo templo. Os temas predominantes são a oração e o louvor, mas os Salmos cobrem uma grande variedade de experiências religiosas.

São referidos com mas freqüências no Novo Testamento do que qualquer outro livro, exceto Isaías.
São com freqüência chamados Salmos de Davi porque esse rei foi o autor de um grande número deles.

Autores: Não se sabe quais foram os autores de um grande número de Salmos. É provável que, em alguns casos, o nome atribuído a certos Salmos possa se referir melhor ao compilador do que ao autor.

A seguinte lista de autores foi extraída de várias versões das Escrituras:
Atribuídos a Davi, 73;
aos filhos de Coré, 11;
a Asafe, 12;
a Hemã, 1;
a Etã, 1;
a Salomão, 2;
a Moisés, 1;
a Ageu, 1;
a Zacarias, 1;
a Ezequias, não há certeza quanto ao número;
a Esdras, 1.
Os restantes são anônimos.

Data: Incerta.

Salmos Messiânicos: Damos a seguir alguns dos salmos que contém referências diretas ou simbólicas a Cristo.
Cristo com Rei, 2; 45; 72; 110; 132:11
Seus sofrimentos, 22; 41; 55:12-14; 69:20-21.
Sua ressurreição, 16.
Sua ascensão, 68:18.

Ordem quanto a Tema: Cada salmo está anotado abaixo sob o tema a que se refere.
O homem:
Sua exaltação, 8.
Sua condição de pecador, 10; 14; 36; 55; 59 entre outros.

O mundano e o ímpio.
Em contraste com o piedoso, 1; 4; 5.
A demora de seu castigo, 10.
Sua prosperidade, 37; 73.
Seu destino, 9; 11.
A confiança nas riquezas, 49.

Experiências espirituais.
O arrependimento, 25; 38; 51; 130.
O perdão, 32.
A conversão, 40.
A consagração, 116.
A confiança, 3; 16; 20; 23; 27; 31; 34; 42; 61; 62; 91; 121.
A capacidade de ser ensinado, 25.
A aspiração, 42; 63; 143.
A oração, 55; 70; 77; 85; 86; 142; 143.
O louvor, 96; 98; 100; 103; 107; 136; 145; 148; 149; 150.
A adoração, 43; 84; 100; 122; 132.
A aflição, 6; 13; 22; 69; 88; 102.
A velhice, 71;
A viga fugaz, 39; 49; 90.
O lar, 127.
A nostalgia, 137.

A Igreja (Simbolizada).
Sua segurança, 46.
Sua glória, 48; 37.
O amor para com ela, 84; 122.
A unidade nela, 133.

A Palavra de Deus, 19; 119.

Missionários, 67; 72; 96; 98.

O dever dos governantes, 82; 101.

Atributos Divinos:
Sabedoria, majestade e poder, 18; 19; 29; 62; 66; 89; 93; 97; 99; 118; 147.
Conhecimento infinito, 139.
Poder criativo, 33; 89; 104.

As experiências de Israel:
Incredulidade, 78.
Sua desolação e aflição, 79; 80.
Sua reincidência, 81.
A providência divina, 105; 106; 114.

Senhor, tu me sondas, e me conheces. Tu conheces o meu sentar e o meu levantar; de longe entendes o meu pensamento. Esquadrinhas o meu andar, e o meu deitar, e conheces todos os meus caminhos. Sem que haja uma palavra na minha língua, eis que, ó Senhor, tudo conheces.

Salmos 139:1-4
20/03/2021

Poéticos – Jó

Velho Testamento

Autor: Desconhecido. (Talvez Moisés).

Data: É o objeto de grande discussão. É visto por muitos eruditos como o livro mais antigo da Bíblia; outros o colocam em data tão recente como a época do exílio.

Lugar: A terra de Uz.

Tema Principal: O problema da aflição de Jó permitida por Deus. O livro é poético e pictórico em suas descrições, podendo ser dividido em doze cenas.

Cena I.
Jó e sua família antes da aflição. Jó aparece como um pai piedoso, não prejudicado pela prosperidade, ministrando como sacerdote de sua numerosa família, 1:5.

Cena II.
Satanás entra na presença divina, e insinua que Jó serve a Deus por causa de favores especiais, 1:9-11.
Deus permite a Satanás provar a Jó com a perda de suas possessões e de seus filhos, 1:12-20.
Jó retém a sua integridade, 1:21-22.

Cena III.
Satanás volta à presença divina, declarando que se Jó fosse afligido no próprio corpo ele amaldiçoaria a Deus, 2:1-5.
Deus permite que Satanás atinja Jó com horrível enfermidade, 2:7-8.
O conselho blasfemo de sua esposa e a submissão triunfante de Jó, 2:9-10.

Cena IV.
A chegada dos três amigos de Jó e os sete dias de silenciosa condolência, 2:11-13.

Cena V.
A paciência de Jó começa a acabar, e ele expressa sua queixa, capítulo 3.

Cena VI.
Amargas e infrutíferas discussões acerca das aflições de Jó entre este e seus três amigos. Seus amigos sustentam que o sofrimento é o resultado de pecado pessoal. Jó se defende e mantém a sua inocência, capítulos 4-31.

Cena VII.
Eliú entra na discussão, capítulos 32-37.

Cena VIII.
De um redemoinho o Senhor responde a Jó com palavras de luz e repreensão, capítulos 38-39.

Cena IX.
A confissão de Jó, 40:3-5.

Cena X.
O Senhor fala pela segunda vez, 40:7-41:34.

Cena XI.
A segunda confissão de Jó, 42:1-6.
O Senhor repreende a Elifaz, a Bildade e a Zofar por suas palavras insensatas e ordena-lhes que ofereçam sacrifícios, 42:7-9.

Cena XII.
Jó ora por seus amigos; sua própria prosperidade é restaurada e morre em avançada idade, 42:10-17.

Lições Sugeridas:
O maligno poder de Satanás na vida humana.
O uso do sofrimento no plano divino como um meio de aperfeiçoar o caráter.

Porções Seletas:
O discurso de Jó sobre a sabedoria, capítulo 28.

Pois eu sei que o meu Redentor vive, e que por fim se levantará sobre a terra. E depois de consumida esta minha pele, então fora da minha carne verei a Deus.

Jó 19:25-26