Tag: sermão da montanha

22/03/2023

Origem do Espiritismo

As trambiqueiras Irmãs Fox
com o Rap na New York Academy of Music

Como surgiu o Espiritismo?

Evocar dead people é uma prática também conhecida como necromancia. Mas sua sistematização prática chama-se espiritismo, e iniciou-se no século XIX, no auge da onda positivista. Mas falar de positivismo é pular de necromancia para coprologia sem intervalo.

As irmãs Fox e o fantasma batuqueiro do Olodum

Ao contrário do que muita gente pensa, o espiritismo não surgiu na França, pátria natal de Kardec, mas no Estados Unidos, na cidade de Hydesville, com as irmãs Margarida e Catarina Fox, a partir de 1848. As meninas, de 12 e 9 anos de idade, costumavam fazer brincadeiras para assustar o pai (um pastor evangélico) e a mãe. Por toda a casa, ressonavam barulhos estranhos, que os pais impressionáveis atribuíram a espíritos.


O trabalho das irmãs Fox foi muito importante para introduzir uma nova concepção doutrinária de sociedade e difundir nos Estados Unidos e depois na Europa teses que foram codificadas na França e se espalharam pelo mundo, criando muitos seguidores e entusiastas. , mas que ganhou maior importância nos países brasileiros, onde atraiu mais de 4 milhões de seguidores e mais de 20 milhões de simpatizantes, tornando o Brasil um grande divulgador dessa religião, embora inicialmente descrita por Allan Kardec como uma mistura de ciência, filosofia e Religião, percebemos, que nas terras brasileiras seu aspecto mais forte e consolidado centra-se nessa visão como religião, deixando em segundo plano os conceitos científicos e filosóficos. No entanto, o Espiritismo cresce e se desenvolve com grande entusiasmo em todo o país, confortando as pessoas, mostrando-lhes a realidade da vida e enfatizando a importância do mundo espiritual, verdadeiro lugar de existência de todos os indivíduos.

Os truques infantis eram tão ardilosos que acabaram atraindo jornalistas, intelectuais e religiosos. Detalhe: entre os “investigadores”, estava Allan Kardec. Muitos deles afirmaram a veracidade do fenômeno, dando início a um enorme interesse e estudo da possível comunicação provocada entre vivos e mortos.

Por 40 anos, Margarida Fox ganhou muito dinheiro e fama com a divulgação do espiritismo. Porém, em uma crise de consciência, resolveu escrever uma carta para o jornal New York Herald, confessando que tudo havia sido uma farsa.


“As pessoas que procuram envolver-se com o espiritismo tornaram-se loucas…”
“Seja qual for a forma a qual se apresente, o espiritismo tem sido e será sempre um a praga e uma armadilha para os que nele se metem.”
– Margarida Fox, trechos de sua carta publicada no New York Herald, 1888

Quatro meses depois, um repórter do jornal a visitou em sua casa, em Nova Iorque. Nessa ocasião, Margarida demonstrou como fazia o truque do “fantasma batedor”, que dava pancadas no assoalho. E também declarou:

“Sabia, então, que todos os efeitos por nós produzimos eram absolutamente fraudulentos. Ora, tenho explorado o desconhecido na medida em que uma criatura o pode. Tenho ido aos mortos procurando receber deles um pequeno sinal. Nada vem daí – nada, nada. (…) Tenho me assentado sozinha sobre os túmulos, para que os espíritos daqueles que repousavam debaixo da pedra pudessem vir ter comigo. Nada!”

Dias depois dessa segunda denúncia, a outra irmã Fox, Catarina, também se envergonhou e resolveu jogar cocô no ventilador:

“Não me importo com o espiritismo. No que me concerne, acabei com isso. E direi: considero-o uma das maiores pragas que o mundo jamais conheceu… Não hesitaria um momento em desmascará-lo. O espiritismo é fraude do princípio ao fim. E é a maior impostura do século.”
– Catarina Fox, jornal New York Herald, 1888
Livro sobre as irmãs Fox: "Falando Com os Mortos: as Irmãs Americanas Que Disseminaram o Espiritismo". Barbara Weisberg. Ed. Agir, 2011

Livro sobre as irmãs Fox: “Falando Com os Mortos: as Irmãs Americanas Que Disseminaram o Espiritismo”. Barbara Weisberg. Ed. Agir, 2011

Em 21 de outubro de 1888, centenas de pessoas testemunharam Daisy fazer uma nova demonstração de sua performance na Academia de Música de Nova York. No ano seguinte, ela tentou se retratar do que disse, mas sua reputação já estava arruinada. No entanto, com base nessa “negação da negação”, os espíritas continuam a afirmar a veracidade do caso. Imagine só: seria muito incômodo se tivéssemos que admitir que Kardec era um grande crente ou um oportunista porque foi um dos “cientistas” que deram crédito às irmãs Fox.

Alguns anos depois, as duas irmãs Fox morreram de alcoolismo.

Os primeiros teóricos do espiritismo

Um ano antes do caso das irmãs Fox, um avó intelectual do Chico Xavier, Andrew Jackson Davis, publicou uma obra mediúnica chamada “The Principles of Nature, Her Divine Revelations, and a Voice to Mankind”.

Na França já em 1847, “Arcanas da Vida Futura Revelada” apareceu por Louis Alphonse Cahagnet, que fazia parte de um grupo de “magnetizadores” (hipnotizadores) da França. Cahagnet e seu grupo usavam sonâmbulos para fazer suas mandingas. De fato, os sonâmbulos foram o primeiro nome dado ao que hoje se chama “a mídia”. Foi o mesmo Cahegnet que em 1856 escreveu o livro “Révélations d’outre-tombe”, que contém, dizem, mensagens de Galileu, Ben Franklin, Hipócrates (o pai da medicina) e outros.

O espiritismo tem suas raízes na hipnose ou mesmerismo, que recebeu esse nome porque foi imaginado pelo médico austríaco Franz Anton Mesmer (1733-1815), que viveu em Paris desde 1778. A hipnose era vista como uma espécie de “magnetismo animal”. o que quer que isso signifique.

E chegamos a “Hippolyte Léon Denizard Rivail” Allan Kardec…

Mas a palavra espiritismo como a conhecemos foi cunhada por Hippolyte León Denizard Rivail (1804-1869), mais conhecido por seu epônimo Allan Kardec. É por isso que essa forma pós-francesa de necromancia recebeu o nome de kardecismo (por que, oh Deus, a nação já foi chamada de “a joia da Igreja” capaz de produzir tanta merda?).
Kardec veio de uma família CATÓLICA. Aos dez anos foi enviado para Yverdun, na Suíça, para o Instituto Pestalozzi (dirigido por Pestalozzi na época). Pestalozzi era um calvinista e protestante liberal que, é claro, igualava a religião à moralidade. Com uma cabeça dessas…

Depois de ficar com Pestalozzi até 1822, Kardec voltou a Paris e tornou-se professor e escreveu vários livros didáticos. Ele foi um produto de seu tempo: metódico, lógico e um bom intérprete. Um positivista total. Ele conhecia bem o inglês e o alemão e também era um excelente matemático. Trabalhou como tradutor e contador. Em 1826 ele se casou com Amelia Gabrielle Boudet, nove anos mais velha. Ele não tinha filhos.

Ao contrário da imagem que domina o imaginário popular, Kardec não era versado em religião e não entendia os meandros da teologia. Seu interesse por esses campos foi despertado pelo fenômeno das mesas de “virar e falar”, com o caso das irmãs Fox. A partir de então ele aceitou a teoria da presença e atividade dos espíritos.

Invisible Pizza

Em 18 de abril de 1857, publicou sua obra mais famosa: “O Livro dos Espíritos“. Outro livro básico do espiritismo são os “Livros dos Médiuns” com o subtítulo: “Guia para Médiuns e Evocadores“. Assim vemos que o espiritismo não existe sem a necromancia.
Outros livros importantes para a compreensão do espiritismo do mesmo autor são: “Heaven and Hell” – Céu e Inferno (1865) e “Genesis” A Gênese (1868). Deve-se notar que a linguagem literária e a filosofia desses livros estão completamente de acordo com o clima científico da Europa em 1800. nome em 1976.

Ainda em vida, Kardec viu a chegada do espiritismo ao Brasil. O Império e D. Pedro II, maçom quadripartido, receberam o Espiritismo de braços abertos. Foi uma ideia vinda da Europa, de forma “científica” e imaginativa. Em 1884, foi fundada a FEB – Federação Espírita do Brasil, cujo órgão de extensão é a revista “O Reformador”, que ainda hoje existe. Com esse nome, a revista recebeu a aprovação externa de Lutero.

Kardec dizia ser guiado pelo “Espírito da Verdade” que seria aquele que Jesus enviaria para guiar seus discípulos. Seja sério! O menino obviamente não tinha ouvido falar do Espírito Santo. É isso que possibilita uma leitura seletiva da Bíblia (Kardec considerava apenas o ensinamento moral do Sermão da Montanha). Em 12 de junho de 1856, ele recebeu a seguinte mensagem do “Sprite”:

“Previno-te que é rude a tua missão, porquanto se trata de de abalar e transformar o mundo inteiro”.

Foi nessa hora que Kardec começou a ouvir o fundo musical tocar:

Oooooohh… My love! My Darling!
I’ve hungered for your touch
A long, lonely time…

História do Espiritismo

A sociedade mundial sempre esteve envolvida na comunicação dos espíritos e entidades do mundo espiritual, esse contato entre os dois mundos, o material e o imaterial, sempre ocorreu, assustando os encarnados e criando grandes restrições na sociedade, gerando medo e desespero geral entre os indivíduos. e leva muitas pessoas a investigar o significado desses fenômenos espirituais.

Numa época em que as famílias residiam majoritariamente em fazendas e no meio rural, a comunicação entre as entidades era intensa, pois não havia centros espíritas e reuniões estruturadas e organizadas, os espíritos se comunicavam das mais diversas formas, batendo na madeira, movendo objetos, assustando animais e introduzindo o constrangimento de pessoas e comunidades que, desconhecendo essas manifestações, acabaram se desesperando e passaram a acreditar na existência de demônios e entidades dotadas de maldade.

Os espíritos acompanham os encarnados por muito mais tempo do que imaginam, sua influência mais óbvia e imediata está na intuição que muitos encarnados recebem durante os dias, muitas ideias e pensamentos que atribuímos a nós mesmos são na verdade inspiração de espíritos amigos ou de críticos que por um tempo nisso ele vê espaço para diversas influências que nos levam a comportamentos estranhos ou que não correspondem às nossas atitudes cotidianas.

Inúmeras entidades desencarnadas se viram em situação de desesperança e medo no momento de sua transição para o mundo espiritual, e diante desse desespero começaram a retornar aos seus antigos lares físicos e buscaram se comunicar com seus entes queridos, buscando encorajamento e oportunidades. para conversa. A ignorância das leis da natureza os levou a buscar ajuda nesses tempos difíceis. Com o surgimento dos centros espíritas e a consolidação desse movimento de amor e ajuda espiritual, esses irmãos foram aconselhados por espíritos superiores a procurar essas reuniões mediúnicas para compreender as dores, os medos e as dificuldades do momento.

O estudo da origem do movimento espírita nos leva a pensar sobre os fenômenos que relacionaram as irmãs Fox, essas jovens inglesas do século XIX, que desenvolveram um método de comunicação com os espíritos, motivadas por um método bastante incomum e, para muitos, , situação assustadora. Em 1848, sua casa em uma pequena cidade americana foi infestada de sons e movimentos estranhos e inexplicáveis, sons vindos da madeira, várias batidas, batidas de portas e ruídos estranhos causaram medo e apreensão. Quando as irmãs observaram a origem dos fenômenos e perceberam que era muito provável que estivessem vindo de um espírito ou manifestação de uma força poderosa, começaram a buscar uma forma de se comunicar com a origem desse som, dessa comunicação descobriu-se que os sons tinham nome, sobrenome e identidade, referem-se a um vendedor de frutas chamado Charles Rosma que foi assassinado nesta casa há vários anos e seu corpo foi enterrado no sótão da casa, a três metros de distância.

Em meados do século XIX, as irmãs Fox deram uma grande contribuição para a sociedade mundial, os moradores de uma pequena cidade chamada Hydesville, pequena cidade dos Estados Unidos da América, motivaram um movimento que levou o professor Hippolyte Leon Denizard Rivail a pesquisar e estudar um novo fenômeno em curso que culminou na codificação da Ciência do Espírito, iniciada com a publicação do Livro Fantasma em 1857.

A publicação desta obra causou grande preocupação na sociedade europeia da época, iniciando um movimento de curiosos para entender as raízes deste fenômeno completamente inusitado e de difícil compreensão para muitos, o que motivou estudos e pesquisas sobre este tema e discussões. quanto à verdade, muitos acreditaram, enquanto outros viram vestígios de fraude e charlatanismo no movimento.

As irmãs Fox motivaram grande parte das pesquisas do pedagogo francês, que adotou um pseudônimo, para escrever sobre o assunto de forma a personificar e separar seus estudos sobre o espiritismo de toda a sua trajetória anterior, quando foi reconhecido como um dos maiores intelectuais do mundo da educação, com inúmeras publicações sobre o assunto passando a se autodenominar Allan Kardec, nome que lhe foi revelado por seus guias espirituais como um de seus nomes em encarnações anteriores quando reencarnou como druida.

A comunicação aberta entre as irmãs Fox e o espírito de Charles Rosma abriu grandes oportunidades de intercâmbio entre os dois mundos, material e imaterial, permitiu novas oportunidades de desenvolvimento para a sociedade, o surgimento de uma religião que aceitava naturalmente a ciência e a filosofia, inaugurou uma tríade que se chocou com outras religiões da época, que na sua maioria rejeitavam a Ciência e se colocavam acima do pensamento científico, o que dificultava o debate entre estas duas áreas fundamentais do desenvolvimento da sociedade.

Muitas vozes criticaram a família Fox, chamando-os de fraudes, impostores e acreditando que todo o fenômeno era altamente charlatão, levando as irmãs a se submeterem a inúmeras comissões formadas por membros respeitados da sociedade para investigar esses fenômenos. e todas as perguntas e dúvidas levantadas foram respondidas e os relatórios confirmaram a veracidade dos fenômenos. Depois destas pesquisas apaixonadas, que embora invasivas e muito exaustivas, foram de grande valia na divulgação de novas ideias, levaram-nas a todas as regiões do país e a diversos países, aumentando o interesse das pessoas pelo conhecimento dos fenómenos e satisfazendo as suas indagações mais íntimas .

Após esses fenômenos, as irmãs Fox iniciaram conversas mais intensas com os espíritos através de reuniões mediúnicas, onde eram realizadas sessões particulares e públicas, o que atraiu um grande número de curiosos que vinham ao encontro para entender essa nova revelação, e muitas pessoas de destaque na sociedade. . os jornalistas, advogados, médicos, líderes religiosos da época, entre outros, todos tentavam satisfazer suas curiosidades mais íntimas e tentavam confirmar a seriedade do movimento que se espalhava por todas as regiões e causava ciúmes e comoção entre outras religiões e religiões. grupos religiosos.

A história das irmãs Fox ganhou relevância mundial, embora fossem médiuns com grande potencial e detivessem diversos tipos de mediunidade, destacamos a mediunidade de Kate Fox, que segundo Arthur Conan Doile, autor de uma interessante e importantíssima obra de doutrina, História do Espiritismo, apresentou características de psicografia, materialização de mãos, fenômenos religiosos e o tipo de medialismo que causou o espancamento, muito forte e persistente, neste último nos enquadramos na comunicação ocorrida na pequena cidade norte-americana de Hydesville.

Kate Fox foi muito paciente ao longo de sua vida, pois esses fenômenos apareciam quando ela era muito jovem, ela serviu de cobaia para muitas pesquisas e investigações, muitos pedidos foram feitos por pessoas que queriam entender todos esses fenômenos, e muitos deles queriam denegrir novas ideias, mas muitos se levantaram para defender os fenômenos que dividiam a sociedade da época, dentre eles destacamos importantes e renomados teóricos da época, como William Croockes, Arthur Conan Doile, entre outros, que estudaram, discutiram e divulgaram suas conclusões, aumentando assim o status e aumentando a credibilidade das teorias nascentes.

Desde o seu surgimento, as ideias espíritas foram torpedeadas, os críticos usaram de artimanhas e falsidades para denegrir as ideias nascentes, as próprias irmãs Fox foram perseguidas por muitos anos, vítimas de calúnias e comentários espirituosos e de mau gosto, e às vezes recebendo sugestões indecentes de condenação. farsas do espiritismo.

As novas descobertas motivaram inúmeros questionamentos e indagações que os seguidores desse movimento não souberam responder com mais eficácia, as bases ainda eram muito pouco sólidas e precisavam ser melhor estruturadas para que o espiritismo se firmasse como um movimento sério e organizado que atraia interessados festas. ao estudar, debater e analisar os fenômenos de forma consciente que eles tinham um novo conceito religioso. O papel do codificador Allan Kardec no desenvolvimento da doutrina vai nesse sentido, suas pesquisas e pesquisas científicas baseadas em metodologias conscientes e lógicas foram essenciais para que a Doutrina fosse codificada e para que os espíritos construíssem um canal de comunicação mais eficaz com a sociedade e com o mundo material, para inaugurar uma nova religião, mais amante da ciência e da filosofia, mas centrada nos passos firmes de Jesus Cristo.

Para o codificador, todo efeito tem uma causa imediata, foram feitas perguntas a diferentes espíritos e vários médiuns diferentes que não se conheciam e em lugares diferentes, a partir das respostas o educador francês selecionou o conteúdo e divulgou aqueles que apresentavam semelhanças e pareciam mais razoável. A partir dessas indagações foi possível escrever a primeira obra, O Livro dos Espíritos, que abriu caminho para muitas outras análises e pesquisas, O Livro dos Médiuns, O Evangelho Segundo o Espiritismo, Céu e Inferno, A Gênese, O que é o Espiritismo, além de muitos outros artigos e periódicos, onde se destacou a Revista Espírita, com vários exemplares. Entre 1854 e 1869, quando desencarnou, inúmeros esforços foram feitos para crescer, popularizar e desenvolver a Ciência dos Espíritos, embora tenha iniciado essa busca na casa dos cinquenta anos, Allan Kardec fez um trabalho magistral, só não começou antes. porque a fumaça da Inquisição ainda tinha um grande poder na sociedade européia, só depois que as chamas esfriaram é que novos pensamentos e ideias surgiram, ainda mais, que trouxeram uma nova visão de uma sociedade sem hierarquias. , sem rituais, sem autoridades, sem pompa e fortemente ligados ao pensamento científico.

Embora tivessem grandes dificuldades em suas jornadas no mundo material, a mediunidade das irmãs Fox foi de grande importância para a iniciação de novas ideias na sociedade mundial, a resistência é normal e natural, até esperada, todo novo movimento encontra grandes dificuldades, mesmo movimentos mais religiosos, para se consolidar e difundir, mas essas dificuldades foram fundamentais para a propagação de inovações doutrinárias que transformariam o mundo e nos trariam informações relevantes sobre a vida material e imaterial, segundo tais ideias a verdadeira matriz da vida está no mundo espiritual , somos espíritos que já nasceram e renasceram várias vezes em busca do progresso constante, como ideia progressista a ciência tem levantado muitos inimigos e críticos, mas como toda revelação que vem de uma espiritualidade superior, a oposição deve ser vista apenas como uma ferramenta para difundir e consolidar essas ideias.

Nesse caminho, essas moças passaram por inúmeras provações e sucumbiram em diversas situações, em algum momento adotaram meios de desacreditar a imagem do espiritismo e mediunidade, atuaram como críticas e criticaram veementemente essa nova filosofia religiosa, acreditando que com isso Além de dos recursos arrecadados, conseguiriam obter outras fontes por meio de palestras e denúncias bombásticas de fraudes e movimentos de usurpação, detonação de movimentos e denúncias de charlatanismo. As acusações feitas contra o movimento não trouxeram ganhos como se acreditava, ela percebeu, e em um momento de lucidez Margaret Fox ligou para a imprensa em 20 de novembro de 1889 e voltou atrás em suas declarações anteriores, mostrando que sua crítica surgiu porque ela havia se deixado levar por assuntos mesquinhos e interesses financeiros imediatos.

A médium tem um grande papel na sociedade, quem aceita esta nobre missão se compromete a fazer uma doação confidencial e moral em prol de uma atividade meritória e de grande importância para a sociedade, as irmãs Fox tiveram um papel significativo e foram decisivas para o intensificado olhar para o mundo espiritual já está despertado na sociedade, quem rejeita esse potencial mediúnico ou o utiliza para satisfazer seus próprios prazeres e interesses mesquinhos deve responder por essas atitudes, pois as apostas são gratuitas, mas a colheita é obrigatória.

Fica a pergunta: “Será que as irmãs Fox fracassaram?

Digo isso porque depois das irmãs por 40 anos enganar “todo mundo”, e com isso, muitos estudiosos, incluindo Kardec se aprofundaram no assunto;- Escreveram seus livros, trocaram ideias, gastaram tempo desenvolvendo essa nova “religião”. Será que eles estavam dispostos a voltar atrás e fazer o que fizeram as irmãs Fox? Desmentir tudo?

“Não me importo com o espiritismo. No que me concerne, acabei com isso. E direi: considero-o uma das maiores pragas que o mundo jamais conheceu… Não hesitaria um momento em desmascará-lo. O espiritismo é fraude do princípio ao fim. E é a maior impostura do século.”
– Catarina Fox, jornal New York Herald, 1888
Por 40 anos, Margarida Fox ganhou muito dinheiro e fama com a divulgação do espiritismo. Porém, em uma crise de consciência, resolveu escrever uma carta para o jornal New York Herald, confessando que tudo havia sido uma farsa.

Julga-me, ó Senhor, pois tenho andado na minha integridade; no Senhor tenho confiado sem vacilar. Examina-me, Senhor, e prova-me; esquadrinha o meu coração e a minha mente. Pois a tua benignidade está diante dos meus olhos, e tenho andado na tua verdade.

Salmos 26:1-3