Tag: farian

19/02/2021

Heaven – (tradução)
Bryan Adams

Heaven

Oh – thinkin’ about all our younger years
There was only you and me
We were young and wild and free

Now nothin’ can take you away from me
We’ve been down that road before
But that’s over now
You keep me comin’ back for more

And Baby you’re all that I want
When you’re lyin’ here in my arms
I’m findin’ it hard to believe
We’re in heaven
And love is all that I need
And I found it there in your heart
It isn’t too hard to see
We’re in heaven

Oh – once in your life you find someone
Who will turn your world around
Bring you up when you’re feelin’ down

Yeah, nothin’ could change what you mean to me
Oh, there’s lots that I could say
But just hold me now
‘Cause our love will light the way

And Baby you’re all that I want
When you’re lyin’ here in my arms
I’m findin’ it hard to believe
We’re in heaven
And love is all that I need
And I found it there in your heart
It isn’t too hard to see
We’re in heaven

I’ve been waitin’ for so long
For somethin’ to arrive
For love to come along
Now our dreams are comin’ true
Through the good times and the bad
Yeah – I’ll be standin’ there by you, oh

And Baby you’re all that I want
When you’re lyin’ here in my arms
I’m findin’ it hard to believe
We’re in heaven
And love is all that I need
And I found it there in your heart
It isn’t too hard to see
We’re in heaven, heaven, oh

You’re all that I want
You’re all that I need
We’re in heaven
We’re in heaven
We’re in heaven

Paraíso

Pensando nos nossos tempos de juventude
Só existia eu e você
Éramos jovens, selvagens e livres

Agora nada pode lhe manter longe de mim
Nós já estivemos naquela estrada antes*
Mas agora já acabou
E você continua me fazendo voltar pra ter mais

Querida você é tudo que eu quero
E quando você está deitada em meus braços
Quase não consigo acreditar
Que estamos no paraíso
E amor é tudo o que eu preciso
E encontrei isso em seu coração
Não é tão difícil de ver
Que estamos no paraíso

Oh -uma vez na vida você encontra alguém
que vira a sua vida de ponta cabeça
que te anima quando você está mal

Agora nada poderia mudar o que você significa pra mim
Há muita coisa a dizer
Mas apenas me abrace agora
Pois nosso amor irá iluminar o caminho

Querida você é tudo que eu quero
E quando você está deitada em meus braços
Quase não consigo acreditar
Que estamos no paraíso
E amor é tudo o que eu preciso
E eu achei isso em seu coração
Não é tão difícil de ver
Que estamos no paraíso

Eu estive esperando por tanto tempo
Para que algo acontecesse
para o amor chegar
Agora nossos sonhos estão se realizando
Através dos bons e dos maus momentos
Eu estarei lá com você

Querida você é tudo que eu quero
E quando você está deitada em meus braços
Quase não consigo acreditar
Que estamos no paraíso
E amor é tudo o que eu preciso
E encontrei em seu coração
Não é tão difícil de ver
Que estamos no paraíso, paraíso, oh

Você é tudo que eu quero
Você é tudo que eu preciso
Estamos no paraíso
Estamos no paraíso
Estamos no paraíso

O que cuida da figueira comerá do seu fruto; e o que atenta para o seu senhor será honrado.

Provérbios 27:18
19/02/2021

Rivers of Babylon – (tradução)
Boney M
(Farian, Reyam, Dowe, McNaughton)

Rivers of Babylon

Hmmmmmmmmmmmmm
Hmmmmmmmmmmmmm
Hmmmmmmmmmmmmm
Hmmmmmmmmmmmmm
Ahahahahaahahahahaaaaaa
Ahahahahaahahahahaaaaaa
Ahahahahaahahahahaaaaaa
Ahahahahaahahahahaaaaaa

By the rivers of Babylon,
there we sat down.
Ye-eah we wept,
when we remembered Zion.

By the rivers of Babylon,
there we sat down.
Ye-eah we wept,
when we remembered Zion.

When the wicked
Carried us away in captivity
Required from us a song.
Now how shall we sing the lord’s song
in a strange land?

When the wicked
Carried us away in captivity
Requiering of us a song
Now how shall we sing the lord’s song
in a strange land?

Hmmmmmmmmmmmmm
Hmmmmmmmmmmmmm
Hmmmmmmmmmmmmm
Hmmmmmmmmmmmmm

yeah, yeah, yeah, yeah, yeah

Let the words of our mouth,
and the meditations of our heart,
Be acceptable in thy sight here tonight

Let the words of our mouth,
and the meditation of our hearts
Be acceptable in thy sight here tonight.

By the rivers of Babylon,
there we sat down.
Ye-eah we wept,
when we remembered Zion.

By the rivers of babylon,
there we sat down.
Ye-eah we wept,
when we remembered Zion.

Ahahahahaahahahahaaaaaa
Ahahahahaahahahahaaaaaa
Ahahahahaahahahahaaaaaa
Ahahahahaahahahahaaaaaa

By the rivers of Babylon
(dark tears of Babylon)
There we sat down
(you got to sing a song)
Ye-eah we wept,
(sing a song of love)
When we remember Zion
(yeah, yeah, yeah, yeah, yeah)

By the rivers of Babylon
(rough bits of Babylon)
There we sat down
(you hear the people cry)
Ye-eah we wept,
(they need their God)
When we remember zion.
(ohhhhhh, got the power)

By the rivers of Babylon,
(oh yeah, yeah, yeah, yeah, yeah)
there we sat down.
(yeah, yeah, yeah)
Ye-eah we wept…

Rios da Babilônia

Hmmmmmmmmmmmmm
Hmmmmmmmmmmmmm
Hmmmmmmmmmmmmm
Hmmmmmmmmmmmmm
Ahahahahaahahahahaaaaaa
Ahahahahaahahahahaaaaaa
Ahahahahaahahahahaaaaaa
Ahahahahaahahahahaaaaaa

Pelos rios da Babilônia,
nós nos sentamos
Ah, sim, lamentamos,
ao lembrarmos de Sião.

Pelos rios da Babilônia,
nós nos sentamos
Ah, sim, lamentamos,
ao lembrarmos de Sião.

Quando os ímpios
Nos levaram para o cativeiro
Exigiram de nós uma canção.
E agora, como cantaremos uma canção do Senhor
em uma terra estranha?

Quando os ímpios
Nos levaram para o cativeiro
Exigiram de nós uma canção.
E agora, como cantaremos uma canção do Senhor
em uma terra estranha?

Hmmmmmmmmmmmmm
Hmmmmmmmmmmmmm
Hmmmmmmmmmmmmm
Hmmmmmmmmmmmmm

yeah, yeah, yeah, yeah, yeah

Deixe que as palavras de nossa boca
e as meditações de nossos corações
Sejam agradáveis ​​na Tua presença aqui esta noite.

Deixe que as palavras de nossa boca
e as meditações de nossos corações
Sejam agradáveis ​​na Tua presença aqui esta noite.

Pelos rios da Babilônia,
nós nos sentamos
Ah, sim, lamentamos,
ao lembrarmos de Sião.

Pelos rios da Babilônia,
nós nos sentamos
Ah, sim, lamentamos,
ao lembrarmos de Sião.

Ahahahahaahahahahaaaaaa
Ahahahahaahahahahaaaaaa
Ahahahahaahahahahaaaaaa
Ahahahahaahahahahaaaaaa

Pelos rios de Babilônia
(lágrimas escuras da Babilônia)
Nós nos sentamos,
(vocês conseguiram cantar uma canção)
Ah, sim, nós choramos,
(cantamos uma canção de amor)
Ao nos lembramos de Sião
(sim, sim, sim, sim, sim)

Pelos rios da Babilônia
(fragmentos da Babilônia)
Lá nós nos sentamos
(você ouve as pessoas chorarem)
Ah, sim, lamentamos,
(eles precisam de seu Deus)
Ao nos lembrarmos de Sião.
(ooh, tenha o poder).

Pelos rios da Babilônia
(oh yeah, yeah, yeah, yeah, yeah)
Lá nós nos sentamos
(yeah, yeah, yeah)
Ah, sim, lamentamos…

(1) English:
“Babilônia” assumes, in the context of the song, the sense of oppression, lack of freedom, be it of a political, cultural or spiritual nature, and as such employed in anti-racist and anti-colonial movements, such as this Caribbean song.

The song is based on the Biblical Psalm 137:1-4 “By the rivers of Babylon, there we sat down, yea, we wept, when we remembered Zion … They carried us away in captivity requiring of us a song … Now how shall we sing the LORD’s song in a strange land?”
A hymn expressing the lamentations of the Jewish people in exile following the Babylonian conquest of Jerusalem in 586 BC: Previously the Kingdom of Judah, after being united under Kings David and Solomon, had been split in two, with the Kingdom of Israel in the north, conquered by the Assyrians in 722 BC which caused the dispersion of 10 of the 12 tribes of Israel. The southern Kingdom of Judah (hence the name Jews), home of the tribe of Judah and part of the tribe of Levi, was free from foreign domination until the Babylonian conquest to which Rivers of Babylon refers.

By the rivers of Babylon, there we sat down, yea, we wept, when we remembered Zion … They carried us away in captivity requiring of us a song … Now how shall we sing the LORD’s song in a strange land?

The namesake rivers of Babylon (in present-day Iraq) are the Tigris and Euphrates rivers.
The song also has words from Psalm 19:14: “Let the words of my mouth, and the meditation of my heart, be acceptable in thy sight, O LORD, my strength, and my redeemer”.

It is one of a few pop songs whose lyrics come directly from the Bible (See also “Turn! Turn! Turn!” by Pete Seeger, “40” by U2, and “The Lord’s Prayer” by Sister Janet Mead). The melody bears a strong resemblance to “How Dry I Am”.

In the Rastafarian faith, the term “Babylon” is used for any governmental system which is either oppressive or unjust. In Jamaica, Rastafarians also use “Babylon” to refer to the police, often seen as a source of oppression because they arrest members for the use of marijuana (which is sacramental for Rastafarians). Therefore, “By the rivers of Babylon” refers to living in a repressive society and the longing for freedom, just like the Israelites in captivity. Rastafarians also identify themselves as belonging to the Twelve Tribes of Israel. The original version specifically refers to Rastafarian belief in Haile Selassie, by changing references to “the Lord” in the Biblical text to “Far-I” and “King Alpha”. Both terms refer to Selassie (Selassie’s wife Menen Asfaw is known as Queen Omega). In addition, the term “the wicked” replaces the neutral “they” of Psalm 137 By the rivers of Babylon, there we sat down, yea, we wept, when we remembered Zion. We hanged our harps upon the willows in the midst thereof. For there they that carried us away captive required of us a song; and they that wasted us required of us mirth, saying, Sing us one of the songs of Zion. How shall we sing the LORD’s song in a strange land? In the line “they that carried us away captive required of us a song…”. According to David Stowe.

Brent Dowe, the lead singer of the Melodians, told Kenneth Bilby that he had adapted Psalm 137 to the new reggae style because he wanted to increase the public’s consciousness of the growing Rastafarian movement and its calls for black liberation and social justice. Like the Afro-Protestant Revival services, traditional Rastafarian worship often included psalm singing and hymn singing, and Rastas typically modified the words to fit their own spiritual conceptions; Psalm 137 was among their sacred chants.


(1) Português:Babilônia” assume, no contexto da canção, o sentido de opressão, falta de liberdade, seja ela de cunho político, cultural ou espiritual, e como tal empregado nos movimentos anti-racistas e anticoloniais, caso desta canção caribenha.

A música é baseada no Salmo Bíblico 137: 1-4: “Junto aos rios de Babilônia, ali nos assentamos e nos pusemos a chorar, recordando-nos de Sião. Nos salgueiros que há no meio dela penduramos as nossas harpas, pois ali aqueles que nos levaram cativos nos pediam canções; e os que nos atormentavam, que os alegrássemos, dizendo: Cantai-nos um dos cânticos de Sião. Mas como entoaremos o cântico do Senhor em terra estrangeira?”
Um hino que expressa as lamentações do povo judeu no exílio após a conquista babilônica de Jerusalém em 586 aC: Anteriormente o Reino de Judá, após ser unido sob os reis Davi e Salomão, havia sido dividido em dois, com o Reino de Israel ao norte, conquistado pelos assírios em 722 aC o que causou a dispersão de 10 das 12 tribos de Israel. O sul do Reino de Judá (daí o nome de judeus), lar da tribo de Judá e parte da tribo de Levi, estava livre do domínio estrangeiro até a conquista da Babilônia a que se refere o Rios da Babilônia.

Pelos rios da Babilônia, nós nos sentamos, Ah, sim, lamentamos, ao lembrarmos de Sião … Eles nos levaram em cativeiro exigindo de nós um cântico … Agora, como vamos cantar o cântico do Senhor em uma terra estranha?

Os rios homônimos da Babilônia (no atual Iraque) são os rios Tigre e Eufrates. A música também contém palavras do Salmo 19:14: “Sejam agradáveis as palavras da minha boca e a meditação do meu coração perante a tua face, Senhor, Rocha minha e Redentor meu!”

É uma das poucas canções pop cujas letras vêm diretamente da Bíblia (veja também “Turn! Turn! Turn!”, De Pete Seeger, “40” do U2, e “The Lord’s Prayer”, da irmã Janet Mead). A melodia tem uma forte semelhança com “How Dry I Am”.

Na fé Rastafari, o termo “Babilônia” é usado para qualquer sistema governamental que seja opressor ou injusto. Na Jamaica, os rastafáris também usam “Babilônia” para se referir à polícia, frequentemente vista como uma fonte de opressão porque prendem membros pelo uso de maconha (que é sacramental para os rastafáris). Portanto, “Pelos rios da Babilônia” refere-se a viver em uma sociedade repressiva e o desejo de liberdade, assim como os israelitas no cativeiro. Os rastafáris também se identificam como pertencentes às Doze Tribos de Israel. A versão original se refere especificamente à crença Rastafari em Haile Selassie, alterando as referências a “o Senhor” no texto bíblico para “Far-I” e “Rei Alfa”. Ambos os termos se referem a Selassie (a esposa de Selassie, Menen Asfaw, é conhecida como Rainha Omega). Além disso, o termo “os ímpios” substitui o neutro “eles” do Salmo 137 na linha “Eles nos levaram em cativeiro exigindo de nós um cântico …”. De acordo com David Stowe.

Brent Dowe, o vocalista dos Melodians, disse a Kenneth Bilby que adaptou o Salmo 137 ao novo estilo reggae porque queria aumentar a consciência do público sobre o crescente movimento rastafari e seus apelos por libertação negra e justiça social. Como os cultos do Reavivamento Afro-Protestante, a adoração rastafari tradicional frequentemente incluía o canto de salmos e hinos, e Rastas normalmente modificava as palavras para se adequarem às suas próprias concepções espirituais; O Salmo 137 estava entre seus cânticos sagrados.

Junto aos rios de Babilônia, ali nos assentamos e nos pusemos a chorar, recordando-nos de Sião. Nos salgueiros que há no meio dela penduramos as nossas harpas, pois ali aqueles que nos levaram cativos nos pediam canções; e os que nos atormentavam, que os alegrássemos, dizendo: Cantai-nos um dos cânticos de Sião. Mas como entoaremos o cântico do Senhor em terra estrangeira?

Salmos 137:1-4