Tag: história

20/03/2021

História – Ester

Velho Testamento

Autor: Desconhecido.

Quando foi escrito: 465 a.C.

Caráter Canônico: O direito do livro a ocupar um lugar no cânon da Escritura tem sido grandemente contestado. O nome de Deus não aparece nele, enquanto que um rei pagão é mencionado mais de cento e cinqüenta vezes. Não há alusão à oração nem a nenhum tipo de serviço espiritual, com a possível exceção do jejum.

Mensagem Espiritual: Sem dúvida, ocupa um lugar na Palavra de Deus por seu ensino velado da providência protetora em conjunção com o povo de Deus e a certeza da retribuição que alcança seus inimigos.

Tema Principal: A libertação dos judeus por meio da rainha Ester.

Texto Chave: capítulo 4:14.

Sinopse:
Os eventos principais da história giram em torno de três festas:

Parte I.
A festa de Xerxes (Assuero) e os fatos relacionados com ela.
No sétimo dia, quando o rei estava alegre devido ao vinho, a rainha Vasti desobedeceu a ordem de aparecer perante os príncipes reunidos, capítulo 1:1-12.
O rei, furioso, aceitou o conselho de seus sábios e destronou a rainha, capítulo 1:13-22.
Depois da busca, por todo o reino, de uma nova rainha, Ester, uma judia, foi escolhida, capítulo 2:1-17.

Parte II.
A festa de Ester, eventos preliminares e desenlace final.
Mordecai, o judeu, pai adotivo da rainha, salva a vida do rei, capítulos 2:7; 2:21-23.
A ascensão de Hamã e a recusa de Mordecai de honrá-lo; a fúria de Hamã e sua decisão de destruir a todos os judeus, capítulo 3:1-15.
O luto dos judeus por causa do complô de Hamã, capítulo 4:1-4.
A determinação heróica de Ester de comparecer perante o rei com um plano em mente que pudesse frustrar o complô, capítulo 4:5-17.
Ester, ao ser recebida pelo rei, convida a este e a Hamã para uma festa, capítulo 5:1-8.
Hamã prepara uma forca para Mordecai, capítulo 5:9-14.
Durante uma noite de insônia o rei examina os registros da corte e descobre que Mordecai não havia sido recompensado por haver salvo a vida do rei, capítulo 6:1-3.
A vaidade egoísta de Hamã resulta em sua própria humilhação e em grande honra para Mordecai, capítulo 6:4-11.
A festa de Ester. Descobre-se o complô de Hamã, e este é pendurado na forca que ele havia preparado para Mordecai, capítulo 7.

Parte III.
A Festa de Purim.
Eventos preliminares:
O rei autoriza a vingança dos judeus contra s seus inimigos, capítulo 8.
A vingança executada, capítulo 9.

A festa instituída, capítulo 9:20-31.

A exaltação de Mordecai, capítulo 10.


Observação Complementar:

Há muitas questões e dúvidas à respeito de por que o livro de Ester não fala no nome de Deus
Embora aparentemente neste livro o nome de Deus esteja ausente, podemos notar vestígios de Deus e seus caminhos transparecem ao longo desse livro. É evidente que a mão de Deus se faz presente.

O livro de Ester encontramos especialmente na vida de Ester e Mardoqueu estes sinais. Da perspectiva humana, Ester e Mardoqueu foram os menos indicadas para desempenhar funções na formação da nação. Ele um judeu exilado, ela prima órfã de Mardoqueu “Criara ele Hadassa, isto é, Ester, filha de seu tio, pois não tinha ela nem pai nem mãe; e era donzela esbelta e formosa; e, morrendo seu pai e sua mãe, Mardoqueu a tomara por filha”. (Ester 2:7).

O livro todo excede em menções à providência de Deus para com as situações humanas. De tal forma Deus dirigiu a vida das pessoas envolvidas na narração, que ele colocou a pessoa certa precisa e exatamente no lugar e no momento certo. Como Mordecai observou: “Pois, se de todo te calares agora, de outra parte se levantarão socorro e livramento para os judeus, mas tu e a casa de teu pai perecereis; e quem sabe se não foi para tal tempo como este que chegaste ao reino?” (Ester 4:14).

Ester tem a virtude de esperar pelo momento que Deus julgou adequado, para, então, pedir ao rei a salvação do povo
“De novo disse o rei a Ester, no banquete do vinho: Qual é a tua petição? e ser-te-á concedida; e qual é o teu rogo? e se te dará, ainda que seja metade do reino. Ester respondeu, dizendo; Eis a minha petição e o meu rogo: Se tenho alcançado favor do rei, e se parecer bem ao rei concerder-me a minha petição e cumprir o meu rogo, venha o rei com Hamã ao banquete que lhes hei de preparar, e amanhã farei conforme a palavra do rei”.(Ester 5:6-8);
“Então respondeu a rainha Ester, e disse: Ó rei! se eu tenho alcançado o teu favor, e se parecer bem ao rei, seja-me concedida a minha vida, eis a minha petição, e o meu povo, eis o meu rogo; porque fomos vendidos, eu e o meu povo, para sermos destruídos, mortos e exterminados; se ainda por servos e por servas nos tivessem vendido, eu teria me calado, ainda que o adversário não poderia ter compensado a perda do rei. Então falou o rei Assuero, e disse à rainha Ester: Quem é e onde está esse, cujo coração o instigou a fazer assim? Respondeu Ester: Um adversário e inimigo, este perverso Hamã! Então Hamã ficou aterrorizado perante o rei e a rainha”. (Ester 7:3-6).

E o versículo mais indiscutível da presença de Deus neste livro é este. Só e simplesmente porque há jejum. E a quem jejuamos, senão a Deus?
“Vai, ajunta todos os judeus que se acham em Susã, e jejuai por mim, e não comais nem bebais por três dias, nem de noite nem de dia; e eu e as minhas moças também assim jejuaremos. Depois irei ter com o rei, ainda que isso não é segundo a lei; e se eu perecer, pereci”. (Ester 4:16).

Para confirmar esses dias de Purim nos seus tempos determinados, como o judeu Mardoqueu e a rainha Ester lhes tinham ordenado, e como eles se haviam obrigado por si e pela sua descendência no tocante a seus jejuns e suas lamentações.

Ester 9:31
20/03/2021

História – Neemias

Velho Testamento

Nos manuscritos hebraicos os livros de Esdras e Neemias aparecem como um só livro.

Autor ou Compilador: Indeterminado. Muitos eruditos consideram grande parte do livro como uma autobiografia de Neemias.

Quando foi escrito: 445 – 425 a.C.

Texto Chave: 6:3.

Temas Principais: A reconstrução dos muros de Jerusalém, a repetição de certas leis divinas e a restauração das ordenanças antigas.

Sinopse:

Parte I.
Um estudo dos tipos.
Tema. A reconstrução dos muros de Jerusalém considerada como um tipo do crescimento do reino de Deus na terra.
Os muros derrubados (1:3) podem tipificar as defesas debilitadas do reino de Deus.
A temporada preliminar de jejum e oração (1:4-11) pode ser tipo da atitude mental que deve preceder a todos os grandes empreendimentos espirituais.
O sacrifício de Neemias de um importante posto pelo bem da causa (2:5) pode ser um tipo do serviço sacrificial sempre necessário quando se leva a cabo uma grande obra.
A inspeção da cidade à noite (2:15-16) pode tipificar a necessidade de enfrentar os fatos antes de começar o trabalho construtivo.
A busca de cooperação (2:17-18) pode ser tipo de um elemento essencial em toda obra bem sucedida.
O recrutamento de todas as classes (capítulo 3) pode ser tipo da importância de uma organização completa.

Podemos empregar os mesmos métodos para vencer obstáculos na obra espiritual.
O escárnio, capítulo 2:19, vencido pela confiança em Deus, capítulo 2:20.
A ira e o desprezo, capítulo 4:3, vencidos pela oração e pelo trabalho árduo, capítulo 4:4-6.
A conspiração, capítulo 4:7-8, vencida pela vigilância e a oração, capítulo 4:9.
O desânimo dos amigos, capítulo 4:10-12, vencido com uma coragem constante, capítulo 4:13-14.
A ganância egoísta, capítulo 5:1-5, vencida pela repreensão e pelo exemplo de abnegação, capítulo 5:6-17.
A obra foi concluída, e os inimigos ficaram perplexos pelo constante esforço, capítulo 6:1-15.

Parte II.
Eventos Finais:
Repetição e exposição da lei divina, capítulo 8.
A confissão dos sacerdotes e dos levitas e a confirmação da aliança, capítulos 9-10.
A chamada do povo para habitar em Jerusalém, capítulo 11.
A dedicação do muro, capítulo 12.
As reformas sociais e religiosas, capítulo 13.

Tu, só tu, és Senhor; tu fizeste o céu e o céu dos céus, juntamente com todo o seu exército, a terra e tudo quanto nela existe, os mares e tudo quanto neles já, e tu os conservas a todos, e o exército do céu te adora.

Neemias 9:6
20/03/2021

História – Esdras

Velho Testamento

Autor: Desconhecido. Geralmente se crê que Esdras, embora não tenha sido o autor de todo livro, mas tenha sido o compilador das partes que não escreveu. Esdras, de descendência sacerdotal, foi um judeu exilado em Babilônia, capítulo 7:1-6.

Quando foi escrito: 456 – 444 a.C.

Temas Principais: O regresso dos judeus de seu cativeiro em Babilônia, a reconstrução do templo, e a inauguração de reformas sociais e religiosas.

Mensagem Espiritual: O poder da Palavra de Deus na vida humana. Referido como a Palavra de Deus, capítulos 1:1; 9:4; Lei (o Livro) de Moisés, capítulos 3:2; 6:18; 7:6; mandamentos, capítulos 6:14; 10:3; Lei do Senhor, capítulo 7:10,14.

Parte I.
O regresso da primeira colônia de judeus sob a liderança de Zorobabel, capítulos 1-6.
Autorizado pelo rei Ciro, capítulo 1:1-4.
Os nomes dos remanescentes que voltaram, os sacerdotes, os levitas, os descendentes dos servos de Salomão e suas possessões e ofertas, capítulo 2.

Parte II.
Suas construções.
Constroem o altar e estabelecem o culto, capítulo 3:1-6.
Lançam os alicerces do templo, capítulo 3:8-13.
O povo da terra desejou unir-se à obra, capítulo 4:1-2.
Quando sua oferta foi rejeitada, se opuseram violentamente, causando a paralisação da obra, capítulo 4:4-24.
Após longa demora, reiniciam a obra graças a um decreto de Dario, capítulos 5-6.
Término e dedicação do templo, e observância dos ritos antigos, capítulo 6:15-22.

Parte III.
Regresso da segunda colônia sob a direção de Esdras, autorizado pelo rei Artaxerxes, capítulos 7-10.
Lista dos exilados que regressaram em companhia de Esdras e sua chegada a Jerusalém, capítulo 8.
A correção dos males sociais realizada por Esdras, capítulos 9-10.

A obra Literária e Religiosa de Esdras:
A ele se atribui a autoria de vários salmos, especialmente do Salmo 119.
Antiga tradição atribui a Esdras a autoria de I e II Crônicas, mas isto não se pode provar. Associou-se com Neemias para iniciar um avivamento no estudo das Escrituras, (Neemias 8).
Acredita-se que ele seja o iniciador da sinagoga judaica e compilador da maioria dos livros do Antigo Testamento.

Porções Seletas:
A sublime confiança de Esdras na proteção divina, quando chamado a levar grandes tesouros através de lugares perigosos, capítulo 8:21-32.
A oração e a confissão de Esdras pelo povo, capítulo 9:5-15.

A hora da oblação da tarde levantei-me da minha humilhação, e com a túnica e o manto rasgados, pus-me de joelhos, estendi as mãos ao Senhor meu Deus, e disse: Ó meu Deus! Estou confuso e envergonhado, para levantar o meu rosto a ti, meu Deus; porque as nossas iniqüidades se multiplicaram sobre a nossa cabeça, e a nossa culpa tem crescido até o céu.

Esdras 9:5-6
20/03/2021

História – 2 Crônicas

Velho Testamento

Este livro é uma continuação de I Crônicas e um suplemento do livro de Reis. A história de Judá narrada aqui é, em termos gerais, um quadro sombrio de instabilidade e apostasia, mesclada com períodos de reforma espiritual.

Autor: Indeterminado. Acredita-se que tenha sido revisado por Esdras, I e II Crônicas são um só livro no texto hebraico..

Quando foi escrito: 450 – 425 a.C.

Particularidades:
O elemento espiritual na história está mais ressaltado em Crônicas do que em Reis.
Os cinco períodos de reforma.

Outras ilustrações de referências que somente II Crônicas apresenta:
O piedoso discurso de Abdias, capítulo 13:5-12.
Asa se esquece de Deus, capítulo 16:12.
Alianças insensatas de Josafá, capítulo 20:35.
A causa da lepra de Uzias, capítulo 26:16-21.
Cativeiro e libertação de Manassés, capítulo 33:11-13.

Cinco períodos de reforma são descritos:
1 Sob o rei Asa, capítulo 15.
2 Sob o rei Josafá, capítulo 17:6-10.
3 Sob o sacerdote Jeoiada e o rei Joás, capítulo 23:16-19.
4 Sob o rei Ezequias, capítulos 29-31.
5 Sob o rei Josias, capítulos 34-35.

Sinopse:

Parte I.
O reinado de Salomão.
Os sacrifícios de Salomão em Gibeom, e sua sábia eleição, capítulo 1.
A construção do templo, capítulos 2-4.
A glória do Senhor enche a casa, capítulo 5.
A oração de Salomão em dedicação do templo, capítulo 6.
O Senhor de novo aparece a Salomão de noite, capítulo 7.
A prosperidade e a fama de Salomão, capítulo 8.
A visita da rainha de Sabá e a morte de Salomão, capítulo 9.

Parte II.
A insensatez de Roboão, que causou a divisão do reino, capítulo 10.

Parte III.
A história de vários reinados desde Roboão até Zedequias.
Abdias, capítulo13;
Asa, capítulos 14-16;
Josafá, capítulos 17-20;
Jorão, capítulo 21;
Acazias, 22:1-9;
Atalia (rainha), 22:10; 23:15;
Joás, capítulo 24;
Amazias, capítulo 25;
Uzias, capítulo 26;
Jotão, capítulo 27;
Acaz, capítulo 28;
Ezequias, capítulos 29-32;
Manassés, 33:1-20;
Amom, 33:21-25;
Josias, capítulos 34-35;
Jeoacaz, 36:1-3;
Jeoiaquim, 36:4-8;
Joaquim, 36:9-10;
Zedequias, 36:11-13.

Mensagem Espiritual:
O poder da oração para obter êxito e vitória, capítulos 11:16; 13:13-18; 14:11; 15:12; 17:4; 20:3; 26:5; 27:6; 30:18-20; 31:21; 32:20; 34:3.

Lições Espirituais:
A preeminência da sabedoria, capítulo 1:7-12.
A glória do Senhor enche o templo preparado, capítulo 5:13-14.
O espírito de louvor torna invencível o povo de Deus, capítulo 20:20-25.

Assim morreu Saul por causa da sua infidelidade para com o Senhor, porque não havia guardado a palavra do Senhor; e também porque buscou a adivinhadora para a consultar, e não buscou ao Senhor; pelo que ele o matou, e transferiu o reino a Davi, filho de Jessé.

II Crônicas 10:13-14
20/03/2021

História – 1 Crônicas

Velho Testamento

Autor: Indeterminado. Crê-se que tenha sido revisado por Esdras, 1 e 2 Crônicas são um só livro no texto hebraico.

Quando foi escrito: 450 – 425 a.C.

Época: Provavelmente tenha sido escrito durante ou logo após o cativeiro. Pode ser visto como um suplemento aos livros de I e II Samuel, I e II Reis. Algumas das descrições históricas são quase idênticas às dos livros anteriores.

Particularidades: Os livros de Samuel e de Reis se referem a eventos de ambos os reinos, enquanto Crônicas se ocupa quase exclusivamente com a história de Judá.

Pensamento Central: A soberania de Deus, capítulos 4:9-10; 5:20; 11:14; 12:18; 14:2,10,14-15.

Personagem Central: Davi.

Análise do Livro:

Parte I.
Saul:
Genealogias, capítulos 1-9.
Derrota e morte de Saul, capítulo 10.

Parte II.
O reinado de Davi:
Sua ascensão ao trono, a tomada de Jerusalém, seus homens e seus poderosos exércitos, capítulos 11-12.
Seu erro de tentar transportar a arca em um carro novo, Capítulos 13.
Sua vitória sobre os filisteus, capítulo 14.
A arca trazida a Jerusalém, capítulo 15.
A grande festa de regozijo, capítulo 16.
O desejo do rei de construir um templo para o Senhor não lhe foi concedido, capítulo 17.
As grandes vitórias militares, capítulos 18-20.
O censo pecaminoso, capítulo 21.
A preparação dos materiais para o templo e a sua construção a cargo de Salomão, capítulo 22.
A posterior organização dos assuntos do reino, capítulos 3-27.
Ultimas instruções de Davi ao povo e a seu filho Salomão; Salomão se torna rei, Capítulos 28-29; morte de Davi, capítulo 29:28.

Porções Seletas:
A oração de Jabez, capítulo 4:10.
Davi derrama a água do poço de Belém, capítulo 11:17-19.
O salmo de Davi, capítulo 16:7-36.
Descrição do coro e da orquestra de Davi, capítulo 25.
última bênção e oração de Davi, capítulo 29:10-19.

Assim morreu Saul por causa da sua infidelidade para com o Senhor, porque não havia guardado a palavra do Senhor; e também porque buscou a adivinhadora para a consultar, e não buscou ao Senhor; pelo que ele o matou, e transferiu o reino a Davi, filho de Jessé.

I Crônicas 10:13-14
20/03/2021

História – II Reis

Velho Testamento

Este livro é uma continuação do livro de I Reis.

Autor: Desconhecido.

Quando foi escrito: 550 a.C.

Tema Principal: A história dos reinos de Israel e Judá, desde a última parte do reinado de Acazias em Israel, e de Jorão em Judá, até o tempo dos cativeiros. Quanto a história de Israel, é este um quadro sombrio de governantes degenerados e de gente pecadora, que resultou na escravidão. O reino de Judá também se estava degradando, mas o juízo não o atingiu tão depressa devido à influência de um número de reis bons que reinaram durante este período. Em sua maior parte o livro se centraliza nas vidas dos profetas Elias e Eliseu.

Mensagem Espiritual: A influência poderosa dos governantes sobre uma nação.

Sinopse:

O livro pode ser dividido em três partes:

Parte I.
Principalmente, a história dos últimos dias de Elias.
Pede fogo do céu para destruir a seus inimigos, capítulo 1:9-12
A divisão do rio Jordão, capítulo 2:8.
Sua transladação, capítulo 2:11.

Parte II.
Principalmente a história de Eliseu.
Pede uma porção dobrada de graça, capítulo 2:9.
Divide o Jordão, capítulo 2:14.
Sara as águas, capítulo 2:19-22.
Amaldiçoa os rapazes que zombaram dele, capítulo 2:23-24.
Consegue água para um exército, capítulo 3:15-20.
Aumenta o azeite da viúva, capítulo 4:1-7.
Ressuscita a um menino, capítulo 4:18-37.
Purifica o alimento nocivo, capítulo 4:38-41.
Alimenta a multidão, capítulo 4:42-44.
Sara a Naamã, o leproso, capítulo 5:5-15.
Faz que Gezi fique leproso, 5:20-27.
Faz flutuar o ferro de um machado, capítulo 6:1-7.
Revela os planos do rei da Síria, capítulo 6.
Provoca cegueira nos sírios, capítulo 6:18-20.
Profetiza abundância para uma cidade açoitada pela fome, capítulo 7:1-18.
Garante à mulher sunamita a restauração da sua terra, capítulo 8:3-6.
Profetiza a exaltação de Hazael, capítulo 8:7-15.
Ordena a unção de Jeú como rei, capítulo 9:1-6.
Conserva o poder profético até em seu leito de morte, capítulo 13:14-19.
O poder divino se manifesta em seu túmulo, mesmo após a sua morte, capítulo 13:20-21. O segredo de seu poder seu desejo de receber porção dobrada de graça o capacitou a viver numa atitude de contínua vitória.

Parte III.
Outros eventos notáveis na história de Judá e Israel.
A execução do juízo divino de Jeú sobre Jorão, Acazias, Jezabel, setenta dos filhos de Acabe e os adoradores de Baal, capítulos 9-10.
O bom reinado de Joás, capítulos 11-12.
Os reinados de reis perversos em Israel, seguidos pelo cativeiro das dez tribos, capítulos 13-17.
O bom reinado de Ezequias, capítulos 18-20.
O perverso reinado de Manassés, capítulo 21.
Josias, o último dos reis bons, capítulos 22-23.
Uma série de reis perversos em Judá conduzem ao cativeiro da nação e à destruição de Jerusalém, capítulo 25.

Porque se apegou ao Senhor; não se apartou de o seguir, e guardou os mandamentos que o Senhor ordenara a Moisés.

II Reis 18:6
20/03/2021

História – I Reis

Velho Testamento

Autor: Desconhecido.

Quando foi escrito: 550 a.C.

Título: No texto hebraico, I e II Reis aparecem como um só livro. A divisão pode ter sido feita para conveniência dos leitores gregos.

Sinopse:

O livro pode ser dividido em duas partes:

Parte I.
A história do reinado de Salomão.
Eventos iniciais. A morte de Davi e a ascensão de Salomão, seu filho, capítulos 1-2.
Os primeiros anos do reinado de Salomão, a idade de ouro de Israel, famosa:
Pela sábia eleição do rei, capítulo 3:5-14.
Por seu sábio juízo, capítulo 3:16-28.
Por sua sobressalente sabedoria, capítulo 4:29-34.
Pelo crescimento de seus domínios, capítulo 4:21.
Pelo esplendor de sua corte e de seus palácios, capítulos 4:22-28; 7:1-12.
Pela edificação do templo, capítulos 5-6.
Pelos outros edifícios e por sua grande riqueza, capítulos 9:17-23; 10:14-29.
Pela visita da rainha de Sabá, 10:1-13.
Os últimos anos de seu reinado. A decadência de seu reinado produzida:
Por seu extravagante luxo, capítulo 10:14-29.
Sua notória sensualidade, capítulo 11:1-13.
Sua apostasia de Deus, capítulo 11:4-8.
Seus inimigos, os quais o Senhor levantou contra ele, capítulo 11:14-40.

Parte II.
A história dos reinos de Judá e Israel. Da morte de Salomão à elevação de Jorão, em Judá, e da elevação de Jeroboão ao reinado de Acazias, em Israel.
A divisão do reino devido à insensatez de Roboão, filho de Salomão, capítulos 11:43; 12:19.
A rebelião das dez tribos e a elevação de Jeroboão como rei de Israel, capítulo 12:20.
A história comparativa dos dois reinos.
Os reinados em Judá de Roboão, Abdias, Asa e Josafá, capítulos 12:1; 22:50.
Os reinados perversos em Israel de Jeroboão, Nadabe, Baasa, Elá, Zimri, Omri, Acabe e Acazias, capítulos 12:20; 22:53.

Personagem Heróico: O profeta Elias.

Porções Seletas:
A sábia eleição de Salomão, capítulo 3:5-14.
A oração de Salomão na dedicação do templo, capítulo 8:22-53.
O ministério de Elias, capítulos 17-19; 21.
Chamada de Eliseu, capítulos 19:19; 21.

Guarda as ordenanças do Senhor teu Deus, andando nos seus caminhos, e observando os seus estatutos, os seus mandamentos, os seus preceitos e os seus testemunhos, como está escrito na lei de Moisés, para que prosperes em tudo quanto fizeres e por onde quer que fores.

I Reis 2:3
20/03/2021

História – II Samuel

Velho Testamento

Autor: Desconhecido (Samuel e Outros).

Quando foi escrito: 930 a.C.

Tema Principal: O reinado de Davi.

Primeiro Período: Os primeiros anos do reinado. Durante este período, o rei, embora tomasse parte em campanhas militares, comuns na época, manifestou uma disposição espiritual.

Parte I.
Eventos Preliminares:
Execução do amalequita que matou ao rei Saul, capítulo 1:2-16.
O lamento de Davi por Saul e Jônatas , capítulo 1:17-27.

Parte II.
Davi é Ungido do rei de Judá, capítulo 2:4.

Parte III.
A Batalha entre os seguidores de Davi e os servos de Is-Bosete, capítulo 2:8-32.

Parte IV.
Fatos que indicam a devoção do rei:
Sua busca da direção divina, capítulo 2:1
O castigo aos que buscaram ganhar seu favor assassinando a seu rival, capítulo 4:5-12.
Seu discernimento, depois de haver sido exaltado como rei de Israel, ao reconhecer que sua elevação havia vindo de Deus. capítulo 5:1-12.
Sua humildade ao atribuir se êxito militar ao poder divino, capítulo 5:20.
Seu entusiasmo pela volta da arca da aliança a Jerusalém, capítulo 6.
Seu desejo de erigir um templo ao Senhor e a dedicação de grande riqueza para sua construção. capítulos 7-8.
Sua amabilidade para com o filho de Jônatas. capítulo 9.

Período Médio:

Parte I.
O grande êxito militar do rei, capítulo 10.

Parte II.
Sua queda e castigo.
Sua tentação, capítulo 11:1-2.
Destruiu um lar e assassinou a Urias, capítulo 11.
Os juízas divinos o alcançam. A denúncia do profeta Natã, 12:1-14. A morte da criança, capítulo 12:15-19. O crime de seu filho Amnom, capítulo 13:1-20. A rebelião de seu filho Absalão, capítulos 15-18.

Período Final:
Os últimos anos de Davi, capítulos 20-24.

Porções Seletas:
Generosidade de Davi para com Mefibosete, capítulo 9.
A parábola de Natã, capítulo 12:1-6.
O Salmo de ação de graças de Davi, capítulo 22.

É meu Deus, a minha rocha, nele confiarei; é o meu escudo, e a força da minha salvação, o meu alto retiro, e o meu refúgio. O meu Salvador; da violência tu me livras.

II Samuel 22:3