Tag: hífen prefixação

19/08/2021

Literatura – Nova Ortografia

Acentuação Gráfica

Funções de Linguagem

Hífen – Prefixação

Teoria da Comunicação

Figuras de Linguagem

Hífen – Compostos

Mini Vocabulário

Nova Ortografia – Acordo Ortográfico

 

  1. Links Rápidos

Inglês

Utilidade Pública

Music & Lyrics

Este quadro está apoiado nas obras:
BECHARA, Evanildo. O que muda com o Novo Acordo Ortográfico. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 2008.
INSTITUTO ANTÔNIO HOUAISS. Escrevendo pela Nova Ortografia. Rio de Janeiro/São Paulo, Houaiss/Publifolha, 2008.
GOMES, Francisco Álvaro. O Acordo Ortográfico. Porto, Porto Editora, 2008.
Danny’s Home Page

 

Ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto nas vides; ainda que falhe o produto da oliveira, e os campos não produzam mantimento; ainda que o rebanho seja exterminado da malhada e nos currais não haja gado. Todavia eu me alegrarei no Senhor, exultarei no Deus da minha salvação.

Habacuque 3: 17-18
05/03/2021

Teoria da Comunicação

O homem, na comunicação, utiliza-se de sinais devidamente organizados, emitindo-os a uma outra pessoa. A palavra falada, a palavra escrita, os desenhos, os sinais de trânsito são alguns exemplos de comunicação, em que alguém transmite uma mensagem a outra pessoa.
Há, então, um emissor e um receptor da mensagem. A mensagem é emitida a partir de diversos códigos de comunicação (palavras, gestos, desenhos, sinais de trânsito…).

Qualquer mensagem precisa de um meio transmissor, o qual chamamos de canal de comunicação e refere-se a um contexto, a uma situação.

E para melhor compreensão das funções de linguagem, é necessário que estudemos os elementos da comunicação, são eles:

Elementos da comunicação

Emissor: o que emite, que codifica a mensagem; Aquele que diz algo a alguém;
Receptor: o que recebe, decodifica a mensagem; Aquele com que o emissor se comunica
Mensagem: o conjunto de informações transmitidas do emissor para o receptor;
Código: a combinação ou o conjunto de sinais utilizados na transmissão e recepção de uma mensagem. A comunicação só se concretizará, se o receptor souber decodificar a mensagem; (Ex. Língua Portuguesa)
Referente: o assunto ou situação a que a mensagem se refere, também chamado de Contexto;
Canal de Comunicação: meio pelo qual a mensagem é transmitida, ou circula: TV, rádio, jornal, revista, cordas vocais, ar…;

Obs.: as atitudes e reações dos comunicantes são também referentes e exercem influência sobre a comunicação

Na linguagem coloquial, ou seja, na linguagem do dia-a-dia, usamos as palavras conforme as situações que nos são apresentadas.
Por exemplo, quando alguém diz a frase “Isso é um castelo de areia“, pode estar atribuindo a ela sentido denotativo ou conotativo. Denotativamente, significa “construção feita na areia da praia em forma de castelo”; conotativamente, significa “ocorrência incerta, sem solidez”.

Temos, portanto, o seguinte:
Denotação: É o uso do signo em seu sentido real.

Conotação: É o uso do signo em sentido figurado, simbólico.

Para que seja cumprida a função social da linguagem no processo de comunicação, há necessidade de que as palavras tenham um significado, ou seja, que cada palavra represente um conceito. Essa combinação de conceito e palavra é chamada de signo. O signo linguístico une um elemento concreto, material, perceptível (um som ou letras impressas) chamado significante, a um elemento inteligível (o conceito) ou imagem mental, chamado significado. Por exemplo, a “abóbora” é o significante – sozinha ela nada representa; com os olhos, o nariz e a boca, ela passa a ter o significado do Dia das Bruxas, do Halloween.

Temos, portanto, o seguinte:
Signo = significante + significado.
Significado = ideia ou conceito (inteligível)

Para onde me irei do teu Espírito, ou para onde fugirei da tua presença? Se subir ao céu, tu aí estás; se fizer no Seol a minha cama, eis que tu ali estás também. Se tomar as asas da alva, se habitar nas extremidades do mar, ainda ali a tua mão me guiará e a tua destra me susterá.

Salmos 139:7-10
05/03/2021

Hífen – Prefixação

O Caso dos Prefixos e Falsos Prefixos
Prefixos ou Falsos Prefixos
Vogais iguais
Regras
1. Usa-se o hífen quando o prefixo e o segundo elemento juntam-se com a mesma vogal
Exemplos
anti-ibérico,
auto-organização,
contra-almirante,
infra-axilar,
micro-ondas,
neo-ortodoxo,
sobre-elevação,
anti-inflamatório
Observações: Saiba Mais
Mas os prefixos coproprere se juntam ao segundo elemento, ainda que este inicie pelas vogais o ou e:
coocupar,
coorganizar,
coautor,
coirmão,
cooperar,
preenchimento,
preexistir,
preestabelecer,
proeminente,
propor reeducação,
reeleição,
reescrita
Elementos ou Palavras

Vogais diferentes

Regras
2. Não se usa o hífen quando os elementos se unem com vogais diferentes
Exemplos
autoescola,
autoajuda,
autoafirmação,
semiaberto,
semiárido,
semiobscuridade,
contraordem,
contraindicação,
extraoficial,
neoexpressionista,
intraocular,
semiaberto,
semiárido
Elementos ou Palavras
Consoantes iguais
Regras
3. Usa-se o hífen se
a consoante do final do prefixo for igual à do início do segundo elemento
Exemplos
inter-racial,
super-revista,
hiper-raquítico,
sub-brigadeiro
Elementos ou Palavras

Se o segundo elemento começa com sr

Regras
4. Não há hífen quando
o segundo elemento começa com s ou r; nesse caso, duplicam-se as consoantes
Exemplos
antirreligioso
minissaia
ultrassecreto
ultrassom
Observações: Saiba Mais
Porém, conforme a regra anterior, com prefixos hiper, inter, super, deve-se manter o hífen:
hiper-realista,
inter-racial,
super-racional,
super-resistente
Elementos ou Palavras
Se o segundo elemento começa com hmn, ou com vogais
Regras
5. Usa-se o hífen se:
o primeiro elemento, terminado em m ou n, unir-se com as vogais ou consoantes hm ou n
Exemplos
circum-murado,
circum-navegação,
pan-hispânico,
pan-africano,
pan-americano
Elementos ou Palavras

Ex, sota, soto, vice

Regras
6. Usa-se hífen com
os prefixos: exsotasotovice
Exemplos
ex-almirante,
ex-presidente,
sota-piloto,
soto-pôr,
vice-almirante,
vice-rei
Observações: Saiba Mais
Escreva, porém, sobrepor
Elementos ou Palavras
Pré, pós, pró
Regras
7. Usa-se hífen com
os prefixos pré, pós, pró (tônicos e acentuados com autonomia)
Exemplos
pré-escolar,
pré-nupcial,
pós-graduação,
pós-tônico,
pós-cirúrgico,
pró-reitor,
pró-ativo,
pós-auricular
Observações: Saiba Mais
Se os prefixos não forem autônomos, não haverá hífen:
predeterminado,
pressupor,
pospor,
propor
Elementos ou Palavras

O prefixo termina em vogal ou r e b e o segundo elemento se inicia com h

Regras
8. Usa-se o hífen quando
o prefixo termina em rb ou vogais e o segundo elemento começa com h
Exemplos
anti-herói,
inter-hemisférico,
sub-humano,
anti-hemorrágico,
bio-histórico,
super-homem,
giga-hertz,
poli-hidratação,
geo-história
Observações: Saiba Mais
a) Mas as grafias consagradas serão mantidas:
reidratar,
desumano,
inábil,
reabituar,
reabilitar,
reaver
.
b) Se houver perda do som da vogal final, prefere-se não usar hífen e eliminar o hcloridrato (cloro+hidrato), clorídrico (cloro+hídrico)
Elementos ou Palavras
Sufixos de origem tupi
Regras
9. Usa-se o hífen com
sufixo de origem tupi, quando a pronúncia exige distinção dos elementos
Exemplos
Anajá-mirim,
Ceará-mirim,
capim-açu,
andá-açu,
amoré-guaçu
Este quadro está apoiado nas obras:
BECHARA, Evanildo. O que muda com o Novo Acordo Ortográfico. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 2008.
INSTITUTO ANTÔNIO HOUAISS. Escrevendo pela Nova Ortografia. Rio de Janeiro/São Paulo, Houaiss/Publifolha, 2008.
GOMES, Francisco Álvaro. O Acordo Ortográfico. Porto, Porto Editora, 2008.
Danny’s Home Page

 

Ai daquele que adquire para a sua casa lucros criminosos, para pôr o seu ninho no alto, a fim de se livrar das garras da calamidade! Vergonha maquinaste para a tua casa; destruindo tu a muitos povos, pecaste contra a tua alma. pois a pedra clamará da parede, e a trave lhe responderá do madeiramento.

Habacuque 2:9-11