Tag: II peter

21/03/2021

Epístolas Gerais – 2 Pedro

Novo Testamento

Autor: O apóstolo Pedro, 1:1.

Quando foi escrito: Escrita provavelmente em 66 A.D.

Tema Central: Uma advertência acerca dos falsos mestres e dos escarnecedores. Para combater a influência das falsas doutrinas, dá-se grande ênfase à Palavra de Deus e a certeza do cumprimento das promessas divinas.

Texto Chave: 3:1.

Paralelo entre II Timóteo e II Pedro: Nestas cartas, cada um dos escritores faz referência à proximidade da morte. II Timóteo 4:6; II Pedro 1:14.
Ambos os escritores predizem tempos perigosos para a igreja.
O predomínio dos ensinos falsos, 2Tm 3:13; 4:3; 2Pe 2:1.
A corrupção geral da sociedade, 2Tm 3:1-7; 2Pe 2:10-22.
A apostasia vindoura, 2Tm 4:3-4; 2Pe 2:2, 20-22.

Sinopse:
Saudação, 1:1-2.

Parte I.
A vida espiritual, capítulo 1.
O chamado a ela, v. 3.
Garantida por meio de promessas preciosas, v. 4.
Sete passos essenciais em seu desenvolvimento e frutificação, vs. 5-8.
Seu destino final, vs. 10-11.
Uma lembrança de despedida, vs. 12-15.
Uma experiência gloriosa, vs. 16-18.
A origem divina das Escrituras e seu poder iluminador, vs. 19-21.

Parte II.
Os falsos mestres, seu caráter e suas doutrinas corruptas, capítulo 2.
Suas heresias e sua negação de Cristo, v. 1.
Sua popularidade, influência perversa, avareza e hipocrisia, vs. 2-3.
Os juízos implacáveis de Deus sobre os anjos que pecaram, sobre os antediluvianos, e sobre Sodoma e Gomorra são advertências aos ímpios, vs. 4-6.
Os justos serão libertos, mas os injustos serão reservados para o juízo futuro, vs. 7-9.
Descrição adicional dos mestres apóstatas, sua características, obra e destino.
Sua sensualidade, presunção, arrogância e seus excessos, vs. 10-13.
Sua perniciosa influência e apostasia, devidos à ganância, vs. 14-16.
Sua vacuidade, instabilidade e destino futuro, v. 17.
Suas palavras infladas, acompanhadas de uma vida sensual, prometem liberdade aos homens, mas os conduzem ao cativeiro da depravação, vs. 18-19.
Sua apostasia e sua depravação total, vs. 20-22.

Parte III.
Predições acerca dos escarnecedores, da chegada do dia do Senhor (parusia), e uma exortação à firmeza, capítulo 3.
O propósito da carta, vs. 1-2.
O argumento dos escarnecedores, vs. 3-4.
A ignorância dos contestadores.
Acerca das Escrituras do Antigo Testamento, vs. 5-6.
Acerca da preservação do mundo presente para um juízo severo, v. 7.
A explicação da demora divina.
A duração de um dia de Deus, v. 8.
A misericórdia divina aplaca o castigo, v. 9.

A certeza da chegada do dia do Senhor, v. 10.

A atitude e a esperança dos crentes, vs. 11-14.

Recomendação acerca das cartas de Paulo e uma advertência contra a distorção das Escrituras, vs. 15-16.

Exortação à firmeza e ao crescimento espiritual, vs. 17-18.

E Ezequias orou perante o Senhor, dizendo: ó Senhor Deus de Israel, que estás assentado sobre os querubins, tu mesmo, só tu és Deus de todos os reinos da terra; tu fizeste o céu e a terra. Inclina, ó Senhor, o teu ouvido, e ouve; abre, Ó Senhor, os teus olhos, e vê; e ouve as palavras de Senaqueribe, com as quais enviou seu mensageiro para afrontar o Deus vivo.

II Pedro 3:9
13/03/2021

II Pedro

Voltar ao Índice

1 | 2 | 3 ]


II Pedro 1

  1. Simão Pedro, servo e apóstolo de Jesus Cristo, aos que conosco alcançaram fé igualmente preciosa na justiça do nosso Deus e Salvador Jesus Cristo:
  2. Graça e paz vos sejam multiplicadas no pleno conhecimento de Deus e de Jesus nosso Senhor;
  3. visto como o seu divino poder nos tem dado tudo o que diz respeito à vida e à piedade, pelo pleno conhecimento daquele que nos chamou por sua própria glória e virtude;
  4. pelas quais ele nos tem dado as suas preciosas e grandíssimas promessas, para que por elas vos torneis participantes da natureza divina, havendo escapado da corrupção, que pela concupiscência há no mundo.
  5. E por isso mesmo vós, empregando toda a diligência, acrescentai à vossa fé a virtude, e à virtude a ciência,
  6. e à ciência o domínio próprio, e ao domínio próprio a perseverança, e à perseverança a piedade,
  7. e à piedade a fraternidade, e à fraternidade o amor.
  8. Porque, se em vós houver e abundarem estas coisas, elas não vos deixarão ociosos nem infrutíferos no pleno conhecimento de nosso Senhor Jesus Cristo.
  9. Pois aquele em quem não há estas coisas é cego, vendo somente o que está perto, havendo-se esquecido da purificação dos seus antigos pecados.
  10. Portanto, irmãos, procurai mais diligentemente fazer firme a vossa vocação e eleição; porque, fazendo isto, nunca jamais tropeçareis.
  11. Porque assim vos será amplamente concedida a entrada no reino eterno do nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.
  12. Pelo que estarei sempre pronto para vos lembrar estas coisas, ainda que as saibais, e estejais confirmados na verdade que já está convosco.
  13. E tendo por justo, enquanto ainda estou neste tabernáculo, despertar-vos com admoestações,
  14. sabendo que brevemente hei de deixar este meu tabernáculo, assim como nosso Senhor Jesus Cristo já mo revelou.
  15. Mas procurarei diligentemente que também em toda ocasião depois da minha morte tenhais lembrança destas coisas.
  16. Porque não seguimos fábulas engenhosas quando vos fizemos conhecer o poder e a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo, pois nós fôramos testemunhas oculares da sua majestade.
  17. Porquanto ele recebeu de Deus Pai honra e glória, quando pela Glória Magnífica lhe foi dirigida a seguinte voz: Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo;
  18. e essa voz, dirigida do céu, ouvimo-la nós mesmos, estando com ele no monte santo.
  19. E temos ainda mais firme a palavra profética à qual bem fazeis em estar atentos, como a uma candeia que alumia em lugar escuro, até que o dia amanheça e a estrela da alva surja em vossos corações;
  20. sabendo primeiramente isto: que nenhuma profecia da Escritura é de particular interpretação.
  21. Porque a profecia nunca foi produzida por vontade dos homens, mas os homens da parte de Deus falaram movidos pelo Espírito Santo.

II Pedro 2

  1. Mas houve também entre o povo falsos profetas, como entre vós haverá falsos mestres, os quais introduzirão encobertamente heresias destruidoras, negando até o Senhor que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina destruição.
  2. E muitos seguirão as suas dissoluções, e por causa deles será blasfemado o caminho da verdade;
  3. também, movidos pela ganância, e com palavras fingidas, eles farão de vós negócio; a condenação dos quais já de largo tempo não tarda e a sua destruição não dormita.
  4. Porque se Deus não poupou a anjos quando pecaram, mas lançou-os no inferno, e os entregou aos abismos da escuridão, reservando-os para o juízo;
  5. se não poupou ao mundo antigo, embora preservasse a Noé, pregador da justiça, com mais sete pessoas, ao trazer o dilúvio sobre o mundo dos ímpios;
  6. se, reduzindo a cinza as cidades de Sodoma e Gomorra, condenou-as à destruição, havendo-as posto para exemplo aos que vivessem impiamente;
  7. e se livrou ao justo Ló, atribulado pela vida dissoluta daqueles perversos
  8. (porque este justo, habitando entre eles, por ver e ouvir, afligia todos os dias a sua alma justa com as injustas obras deles);
  9. também sabe o Senhor livrar da tentação os piedosos, e reservar para o dia do juízo os injustos, que já estão sendo castigados;
  10. especialmente aqueles que, seguindo a carne, andam em imundas concupiscências, e desprezam toda autoridade. Atrevidos, arrogantes, não receiam blasfemar das dignidades,
  11. enquanto que os anjos, embora maiores em força e poder, não pronunciam contra eles juízo blasfemo diante do Senhor.
  12. Mas estes, como criaturas irracionais, por natureza feitas para serem presas e mortas, blasfemando do que não entendem, perecerão na sua corrupção,
  13. recebendo a paga da sua injustiça; pois que tais homens têm prazer em deleites à luz do dia; nódoas são eles e máculas, deleitando-se em suas dissimulações, quando se banqueteiam convosco;
  14. tendo os olhos cheios de adultério e insaciáveis no pecar; engodando as almas inconstantes, tendo um coração exercitado na ganância, filhos de maldição;
  15. os quais, deixando o caminho direito, desviaram-se, tendo seguido o caminho de Balaão, filho de Beor, que amou o prêmio da injustiça,
  16. mas que foi repreendido pela sua própria transgressão: um mudo jumento, falando com voz humana, impediu a loucura do profeta.
  17. Estes são fontes sem água, névoas levadas por uma tempestade, para os quais está reservado o negrume das trevas.
  18. Porque, falando palavras arrogantes de vaidade, nas concupiscências da carne engodam com dissoluções aqueles que mal estão escapando aos que vivem no erro;
  19. prometendo-lhes liberdade, quando eles mesmos são escravos da corrupção; porque de quem um homem é vencido, do mesmo é feito escravo.
  20. Porquanto se, depois de terem escapado das corrupções do mundo pelo pleno conhecimento do Senhor e Salvador Jesus Cristo, ficam de novo envolvidos nelas e vencidos, tornou-se-lhes o último estado pior que o primeiro.
  21. Porque melhor lhes fora não terem conhecido o caminho da justiça, do que, conhecendo-o, desviarem-se do santo mandamento que lhes fora dado.
  22. Deste modo sobreveio-lhes o que diz este provérbio verdadeiro; Volta o cão ao seu vômito, e a porca lavada volta a revolver-se no lamaçal.

II Pedro 3

  1. Amados, já é esta a segunda carta que vos escrevo; em ambas as quais desperto com admoestações o vosso ânimo sincero;
  2. para que vos lembreis das palavras que dantes foram ditas pelos santos profetas, e do mandamento do Senhor e Salvador, dado mediante os vossos apóstolos;
  3. sabendo primeiro isto, que nos últimos dias virão escarnecedores com zombaria andando segundo as suas próprias concupiscências,
  4. e dizendo: Onde está a promessa da sua vinda? porque desde que os pais dormiram, todas as coisas permanecem como desde o princípio da criação.
  5. Pois eles de propósito ignoram isto, que pela palavra de Deus já desde a antiguidade existiram os céus e a terra, que foi tirada da água e no meio da água subsiste;
  6. pelas quais coisas pereceu o mundo de então, afogado em água;
  7. mas os céus e a terra de agora, pela mesma palavra, têm sido guardados para o fogo, sendo reservados para o dia do juízo e da perdição dos homens ímpios.
  8. Mas vós, amados, não ignoreis uma coisa: que um dia para o Senhor é como mil anos, e mil anos como um dia.
  9. O Senhor não retarda a sua promessa, ainda que alguns a têm por tardia; porém é longânimo para convosco, não querendo que ninguém se perca, senão que todos venham a arrepender-se.
  10. Virá, pois, como ladrão o dia do Senhor, no qual os céus passarão com grande estrondo, e os elementos, ardendo, se dissolverão, e a terra, e as obras que nela há, serão descobertas.
  11. Ora, uma vez que todas estas coisas hão de ser assim dissolvidas, que pessoas não deveis ser em santidade e piedade,
  12. aguardando, e desejando ardentemente a vinda do dia de Deus, em que os céus, em fogo se dissolverão, e os elementos, ardendo, se fundirão?
  13. Nós, porém, segundo a sua promessa, aguardamos novos céus e uma nova terra, nos quais habita a justiça.
  14. Pelo que, amados, como estais aguardando estas coisas, procurai diligentemente que por ele sejais achados imaculados e irrepreensível em paz;
  15. e tende por salvação a longanimidade de nosso Senhor; como também o nosso amado irmão Paulo vos escreveu, segundo a sabedoria que lhe foi dada;
  16. como faz também em todas as suas epístolas, nelas falando acerca destas coisas, mas quais há pontos difíceis de entender, que os indoutos e inconstantes torcem, como o fazem também com as outras Escrituras, para sua própria perdição.
  17. Vós, portanto, amados, sabendo isto de antemão, guardai-vos de que pelo engano dos homens perversos sejais juntamente arrebatados, e descaiais da vossa firmeza;
  18. antes crescei na graça e no conhecimento de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. A ele seja dada a glória, assim agora, como até o dia da eternidade.

Bíblia Online - I Pedro Bíblia Online - I João

Mas vós, amados, não ignoreis uma coisa: que um dia para o Senhor é como mil anos, e mil anos como um dia. O Senhor não retarda a sua promessa, ainda que alguns a têm por tardia; porém é longânimo para convosco, não querendo que ninguém se perca, senão que todos venham a arrepender-se. Virá, pois, como ladrão o dia do Senhor, no qual os céus passarão com grande estrondo, e os elementos, ardendo, se dissolverão, e a terra, e as obras que nela há, serão descobertas.

II Pedro 3:8-10