Tag: utilidade pública

21/02/2021

Guerra Não – No War

Não á guerra contra o Iraque! Guerra sangrenta! Paz!

OS PROBLEMAS NO MUNDO SÃO MUITOS, TANTOS QUE NÃO TEMOS TEMPO, NEM DISPOMOS DE MEIOS SUFICIENTES DE RESOLVÊ-LOS TODOS, MESMO SENDO UM A UM…

O QUE MENOS PRECISAMOS NO MOMENTO E EM ÉPOCA ALGUMA, É DE GUERRAS; DE FATO A ÚNICA COISA QUE AS GUERRAS TRAZEM SÃO MORTES, TRISTEZAS, PERDAS DIVERSAS, MUITAS VEZES IRREPARÁVEIS PARA O SER HUMANO.

NOSSAS BATALHA SÃO INFINDÁVEIS. TEMOS A FALTA DE PAZ, A FOME, A FALTA DE MORADIAS E AS GUERRAS EM NADA NOS AUXILIA. E O MAIS TRISTE É QUE OS PROBLEMAS SÓ SE AGRAVAM E OS QUE MAIS SOFREM SÃO JUSTAMENTE OS MAIS FRACOS E DESPROTEGIDOS, O POVO!

E ESSE MESMO POVO, SEJA ELE GREGO, HEBREU, JUDEU, BRASILEIRO, AMERICANO, INGLÊS, ALEMÃO, AFRICANO RECEBE SOBRE SI O JUGO DE ATOS IMPENSADOS DE SEUS GOVERNANTES.

ENQUANTO ALGUNS ESTÃO LUTANDO, OUTROS ESTÃO BUSCANDO PELA PAZ. SABEMOS QUE MUITOS “LUTAM” POR DIFERENTES INTERESSES, MAS NECESSÁRIO É, LEVARMOS EM CONTA QUE TODA A HUMANIDADE PERDE, DE UM MODO OU OUTRO.

NO WAR… PEACE! KEIN KRIEG… PEACE!
AUCUNE GUERRE… PAIX! NESSUNA GUERRA… LA PACE!
  1. Links Rápidos

A Realidade do Inferno

Estudos Bíblicos

Literatura

Bíblia Online

Music & Lyrics

Os Pensadores

Não deis lugar ao diabo… Do not give the devil a foothold.

Efésios 4:27 - Ephesians 4:27
19/02/2021

Tratando Seus Cabelos e o Couro Cabeludo

Cabelos e Couro Cabeludo – Óleos Essenciais dōTerra 100% Puro

Ter os cabelos bonitos é o desejo de 10 entre 10 pessoas, em qualquer parte do planeta. Cabelos saudáveis não são apenas a representação de beleza, como significam que tudo vai bem com nosso organismo.

Os cabelos são a moldura do rosto, um cabelo bonito sempre é admirado, por isso, quando acontece algo que não planejamos, ficamos tristes e preocupados, como a queda excessiva.

Na foto ao lado temos um tratamento específico com três Óleos Essenciais dōTerra (LavandaCopaíba e Melaleuca) para feridos no couro cabeludo. Tire suas conclusões por si só, e imagina o que os Óleos Essenciais dōTerra pode fazer pelos seus cabelos e pelo seu couro cabeludo.

Segundo especialistas, é normal perder cerca de 100 fios por dia, porém quando esse número se torna maior, se torna fonte de alerta. Dos motivos da queda destacado estão o uso excessivo do secador e da chapinha, procedimentos químicos, estresse, caspa, após a gestação, hereditariedade e doenças do couro cabeludo como alopecia, foliculite, dermatite seborreica e mais 65 causas possíveis.

O ciclo de crescimento do cabelo é afetado pela ação do hormônio DHT (dihidrotestosterona), que faz com que a porcentagem de cabelos na fase de crescimento (anágena) e a duração desta fase diminuam, resultando em cabelos mais curtos. Mais cabelos ficam em estado de repouso (fase telógena) e estes são muito mais sujeitos à queda em função de traumas cotidianos como pentear e lavar.

Para tratar o problema, literalmente a partir da raiz, no mercado existem diversos produtos específicos e também métodos paliativos para tratar os cabelos, os salões de beleza ficam cheios pelos vários serviços oferecidos, mas a natureza é tão perfeita, que encontraram recursos extraídos dela para tanto deixar os cabelos bonitos por fora, quanto cuidar do couro cabeludo e da saúde por dentro, que irá refletir na melhor condição dos fios, mostrando força e brilho. Esses recursos extraídos foram transformados em óleos essenciais, com efeitos positivos e gratificantes. A mudança nos hábitos alimentares e o uso de óleos essenciais, que são um tratamento natural benéfico à saúde por completo.

Como os Óleos Essenciais dōTerra Auxiliam para Queda de Cabelo

Aplicados sobre o couro cabeludo, que possui uma maior quantidade de folículos pilosos, absorvendo melhor as propriedades de ativos tópicos aplicados sobre ele, os óleos essenciais vão agir tanto diretamente, quanto através da inalação, atuando sobre os problemas que causam a queda de cabelo.

Pela grande quantidade de causas que resultam na queda, é preciso primeiro investigar o que faz seu cabelo cair, para saber qual óleo, ou qual sinergia, terá um efeito mais benéfico. Abaixo, seguem alguns exemplos de Óleos Essenciais dōTerra que podem ser usados como tratamento complementar dos cabelos:

Copaíba (Copaifera)Além do efeito anti-inflamatório, outras propriedades da copaíba incluem a ação anti-séptica, antifúngica, hipotensora, diurética, antimicrobiana, relaxante muscular, cicatrizante, desinfetante, antibacteriana, expectorante, anticancerígena,  adstringente, antibiótica, emoliente, energizante, cicatrizante do couro cabeludo, estimulante. O óleo de Copaíba apresenta ainda grande quantidade de propriedades regeneradoras, nutritivas, curativas, tônicas e lubrificantes

Lavanda (Lavender): era usada pelos egípcios e romanos para banhos. óleo de Lavanda é indicado para cabelos danificados e que tem pontas duplas, pois age reduzindo esse problema. Cabelos com caspa ou excesso de oleosidade são beneficiados com o uso desse óleo. Suas propriedades garantem cabelos e corpo relaxados;

Melaleuca (Tea Tree): ajuda no tratamento da caspa, com propriedades anti-inflamatórias e antibacterianas, Melaleuca também ajuda a dar brilho para cabelos secos e danificados;

Alecrim (Rosemary): além das propriedades energizantes é um estimulante dos folículos pilosos favorecendo o crescimento e o fortalecimento mantendo os fios saudáveis. o óleo de Alecrim é rico em  antioxidantes e age sobre os folículos pilosos do couro cabeludo estimulando a circulação sanguínea e eliminando os radicais livres – que são responsáveis ​​pelo envelhecimento, bem como a perda de cabelos, também é eficaz no tratamento da caspa, oleosidade, coceira e irritação do couro cabeludo.

Sálvia Esclareia (Clary Sage):tem propriedades adstringentes e fortalece os cabelos, promovendo a aparência saudável. Além disso, é relaxante, agindo sobre o estresse, uma dos motivos que levam a queda de cabelo;

Camomila Romana (Roman Chamomile): é muito usada em produtos de beleza, tendo propriedades relaxantes, regeneradoras e anti-inflamatórias, tratando o couro capilar;

Cipreste (Cypress): equilibra as emoções, e nada melhor para um cabelo bonito do que alguém feliz embaixo dele. Como tratamento, limpa o couro cabeludo, reduz a oleosidade, auxilia na circulação e força capilar;

Ilangue-Ilangue (Ylang Ylang): nutre os folículos melhorando o crescimento saudável dos cabelos. o óleo de Ylang Ylang equilibra o couro cabeludo oleoso, ajudando a normalizar a produção de sebo. As propriedades antissépticas e tônicas naturais, ajudam a manter  o couro cabeludo saudável.

Peppermint (Hortelã-pimenta): é uma potência de nutrientes, minerais e alguns ácidos graxos; é excelente para o tratamento dos cabelos. Ele ajuda estimular o fluxo de sangue melhorando o desempenho do crescimento.  Hortelã-pimenta tem propriedades antissépticas e antimicrobianas que ajudam a a manter o couro cabeludo limpo, melhorando a caspa. Também é muito eficiente para queda de cabelo.

Modo de Usar

  • Uso tópico: Aplicar sobre a pele na área desejada diluindo de 1-3 gotas em óleo de coco fracionado dōTerra para minimizar qualquer sensibilidade da pele;
  • Difusão: O óleo essencial dōTerra® também poderá ser utilizado em difusor ultrassônico dōTerra ou aromatizador elétrico colocando de 3-4 gotas;
  • Uso interno: Dilua uma gota em 120 ml de líquido (água, chá) e beba;
  • Manter em local fresco, longe da luz, ar e umidade.

Para garantir a beleza dos seus cabelos é importante saber usar os produtos certos para um tratamento adequado. É sempre bom consultar um médico antes de utilizar quaisquer produtos.


Precauções

É importante ter muito cuidado ao comprar seu óleos essenciais na Internet pelo ou Outras Plataformas ou ainda de outras marcas: Primeiro: Verifique a embalagem e certifique-se que não contém componentes sintéticos ou são falsos; Segundo: Compare a embalagem original dōTerra com a de outras plataformas Mercado Livre (alguns), Wish e outras), normalmente são falsificadas; Terceiro: Compare o preço, se está muito abaixo do valor oferecido pela , desconfie! Óleos Essenciais falsificados podem fazer mal à sua saúde. Somente os Óleos Essenciais da dōTerra® Brasil são 100% puros, naturais e biológicos, livres de quaisquer componentes artificiais e podem trazer todos esses benefícios indicados… Veja Vídeo e muito mais AQUI.

Os óleos essenciais dōTerra® Brasil são substâncias muito concentradas portanto utilize sempre diluído e, para aplicar diretamente sobre a pele use um óleo carreador, um óleo vegetal (por exemplo, óleo de coco fracionado). Pode ocorrer irritação e reações alérgicas em pessoas pré-dispostas, assim se tiver alguma vermelhidão ou irritação após o uso tópico de óleos essenciais, aplique um óleo vegetal  na zona afetada. Mantenha fora do alcance de crianças. Em caso de gravidez ou em caso de tratamento, consulte seu médico. Evite contato com os olhos e áreas sensíveis. Não usar no rosto de bebês e crianças. Em caso de contato com os olhos, enxágue com óleo vegetal em abundância. Em caso de irritação, descontinue o uso e procure um médico. Mantenha o produto ao abrigo da luz e do calor.
O fator mais importante seja lembrar para não haver exposição ao sol e a raios UV por até 12 horas após a aplicação do óleo, por riscos de manchas na pele e queimaduras. Por isso, utilize a noite ou se você tiver 100% de certeza que não sairá ao sol depois de aplicar na pele.
As informações fornecidas nesta não pretendem ser um substituto, nem substituem, o conselho médico profissional, diagnóstico ou tratamento. Não despreze, evite ou retarde a obtenção de aconselhamento por um profissional de saúde qualificado devido a algo que pode ter lido no site. A informação aqui disposta não consubstancia prática clínica ou prestação de cuidados médicos.

CLIQUE AQUI. CPTG = Certified Pure Therapeutic Grade (Certificado de Pureza e Grau Terapêutico)

Todos os lotes de óleo essencial são testados por uma entidade independente, o Aromatic Plant Research Center.
Pode consultar AQUI o relatório de qualidade do óleo que adquiriu. CPTG = Certified Pure Therapeutic Grade. Pode ser usado de forma aromática (aromático) Diluir antes de usar topicamente (diluir) Pode ser usado topicamente (tópico)  Pode ser usado sem diluição (limpo)

Ninguém despreze a tua mocidade; mas sê o exemplo dos fiéis, na palavra, no trato, no amor, no espírito, na fé, na pureza.

I Timóteo 4:12
19/02/2021

O que é Sitemap XML?

Entendendo de forma bem simples, em geral, se trata de de uma lista de URLs que compõem seu site, estas URLs são dispostas num arquivo XML (também conhecido como Google Sitemap. E não é só isso, esta lista permite incluir informações adicionais específicas de SEO sobre cada URL, como a data da última atualização, com que frequência ele muda e qual a importância de cada página. O formato XML garante que essas informações possam ser facilmente processadas em diferentes tipos de computadores, aplicativos e sistemas, portanto, mecanismos de pesquisa (Google, Yahoo, Bing, Ask, AOL, Baidu, Yandex, entre outros… ) não terá problemas para entender seus arquivos de Sitemap.

Amostra de Sitemap XML:

<?xml version="1.0" encoding="UTF-8"?>
<urlset xmlns="http://www.sitemaps.org/schemas/sitemap/0.9">
<url>
<loc>http://www.example.com/</loc>
<lastmod>2021-01-29</lastmod>
<changefreq>monthly</changefreq>
<priority>1.0</priority>
</url>
<url>
<loc>http://www.example.com/dannys/</loc>
<changefreq>daily</changefreq>
<priority>0.8</priority>
</url>
</urlset>

Este exemplo de mapa de site [sitemap] acima contém 2 URLs e todas as tags opcionais permitidas: <lastmod>, <changefreq> e <priority>.

Porém existem algumas limitações impostas pelo Google: um único arquivo XML não pode conter mais de 50.000 URLs e não pode ser maior que 10 Megabytes.

Você Pergunta: Por que eu precisa de um mapa do site?

Respondendo à pergunta: – … simplesmente porque permite informar os motores de busca sobre páginas importantes do seu site. Isso aumenta sua visibilidade no Google, Bing, Yahoo, AOL, Baidu, Yandex, etc., e garante a indexação das páginas da web que dificilmente seriam descobertas, ou melhor, visualizadas de outra maneira. Os Sitemaps fornecem informações adicionais sobre seu site para mecanismos de pesquisa, complementando seus métodos tradicionais de rastreamento na World Wide Web [www]. Todos os principais mecanismos de pesquisa usam o mesmo protocolo baseado em XML para isso. Isso significa que ter um Sitemap XML permitirá que Google, Yahoo, Bing (MSN) da Microsoft e Ask tenham informações atualizadas sempre que você carregar um novo arquivo de mapa em seu servidor.

Sitemaps XML são impreterivelmente úteis se:

  • Você criou um novo site
  • Seu site possui um site com conteúdo dinâmico gerado por CMS (WordPress, Joomla, Drupal, DotNetNuke, etc)
  • Você tem muitas páginas em seu site
  • Você não deseja o Google PageRank
  • Seu site tem navegação complexa
  • Algumas de suas páginas da web não são acessíveis a partir da página principal e de seus filhos ou estão enterradas muito profundamente na hierarquia da página

Como criar um Sitemap XML

Criar um Sitemap XML é fácil aprenda aqui como gerar um Sitemap XML gratuito.

O que é “frequência de mudança de página”?
Este valor indica com que frequência o conteúdo em um URL específico provavelmente mudará.

O que é “Data da última modificação”?
A última vez que o URL foi modificado. Essas informações ajudam os indexadores e rastreadores do mecanismo de pesquisa a decidir se o recurso precisa ser visitado. Na hora da criação basta você selecionar as informações de seu servidor ou especifique sua própria data e hora.

O que é “Prioridade da página”?
A prioridade de uma página específica em relação a outras páginas no mesmo site. Como o Google especificou, o valor para esta tag é um número entre 0,0 e 1,0, onde 0,0 identifica a(s) página(s) de prioridade mais baixa em seu site e 1,0 – a mais alta. A prioridade padrão de uma página é 0,5.

Saiba mais sobre XML Sitemaps

Para mais informações sobre este assunto SEO visite www.sitemaps.org ou ver o Google páginas de Mapa-relacionados em www.google.com/support/webmasters.

Você já experimentou o Verificador de Links Quebrados?

Conheça esta ferramenta de SEO on-line um localizador autônomo de links inativos Broken Link Checker que detecta links inválidos e destaca os locais dos links quebrados diretamente no seu código HTMLEncontrar e corrigir hiperlinks desatualizados nunca foi tão fácil!

ferramenta de verificação de links disponibiliza os resultados em tempo real para que não haja espera: você pode começar a consertar links quebrados imediatamente enquanto é validado o resto dos seus links!

Quando eu era filho aos pés de meu, pai, tenro e único em estima diante de minha mãe, ele me ensinava, e me dizia: Retenha o teu coração as minhas palavras; guarda os meus mandamentos, e vive.

Provérbios 4:3-4
19/02/2021

Hino Nacional Brasileiro

Dom Pedro I compondo o Hino Nacional (hoje Hino da Independência), em 1822

Hino Nacional Brasileiro tem letra de Joaquim Osório Duque Estrada (1870 – 1927) e música de Francisco Manuel da Silva (1795 – 1865). Foi adquirida por 5:000$ cinco contos de réis a propriedade plena e definitiva da letra do hino pelo decreto n.º 4.559 de 21 de agosto de 1922 pelo então presidente Epitácio Pessoa e oficializado pela lei n.º 5.700, de 1 de setembro de 1971, publicada no Diário Oficial (suplemento) de 2 de setembro de 1971.

Hino executado em continência à Bandeira Nacional e ao presidente da República, ao Congresso Nacional e ao Supremo Tribunal Federal, assim como em outros casos determinados pelos regulamentos de continência ou cortesia internacional. Sua execução é permitida ainda na abertura de sessões cívicas, nas cerimônias religiosas de caráter patriótico e antes de eventos esportivos internacionais.

A partir de 22 de setembro de 2009, o hino nacional brasileiro tornou-se obrigatório em escolas públicas e particulares de todo o país. Ao menos uma vez por semana todos os alunos do ensino fundamental devem cantá-lo.

A música do hino é de Francisco Manuel da Silva e foi inicialmente composta para banda. Em 1831, tornou-se popular com versos que comemoravam a abdicação de Dom Pedro I. Posteriormente, à época da coroação de Dom Pedro II, sua letra foi trocada e a composição, devido a sua popularidade, passou a ser considerada como o hino nacional brasileiro, embora não tenha sido oficializada como tal.

Após a proclamação da República os governantes abriram um concurso para a oficialização de um novo hino, ganho por Leopoldo Miguez. Entretanto, com as manifestações populares contrárias à adoção do novo hino, o presidente da República, Deodoro da Fonseca, oficializou como Hino Nacional Brasileiro a composição de Francisco Manuel da Silva, estabelecendo que a composição de Leopoldo Miguez seria o Hino da Proclamação da República.

Durante o centenário da Proclamação da Independência, em 1922, finalmente a letra escrita pelo poeta e jornalista Joaquim Osório Duque Estrada tornou-se oficial. A orquestração do hino é de Antônio Assis Republicano e sua instrumentação para banda é do tenente Antônio Pinto Júnior.

Francisco Manuel da Silva (1795 - 1865)

Legislação

Joaquim Osório Duque Estrada (1870 - 1927)

De acordo com o Capítulo V da Lei 5.700 (01/09/1971), que trata dos símbolos nacionais, durante a execução do Hino Nacional, todos devem tomar atitude de respeito, de pé e em silêncio. Civis do sexo masculino com a cabeça descoberta e os militares em continência, segundo os regulamentos das respectivas corporações. Além disso, é vedada qualquer outra forma de saudação (gestual ou vocal como, por exemplo, aplausos, gritos de ordem ou manifestações ostensivas do gênero, sendo estas desrespeitosas ou não).

Segundo a Seção II da mesma lei, execuções simplesmente instrumentais devem ser tocadas sem repetição e execuções vocais devem sempre apresentar as duas partes do poema cantadas em uníssono. Portanto, em caso de execução instrumental prevista no cerimonial, não se deve acompanhar a execução cantando, deve-se manter, conforme descrito acima, silêncio.
Em caso de cerimônia em que se tenha que executar um hino nacional estrangeiro, este deve, por cortesia, preceder o Hino Nacional Brasileiro.

Letra: Hino Nacional Brasileiro

Primeira Parte

Ouviram do Ipiranga as margens plácidas
De um povo heroico o brado retumbante,
E o sol da Liberdade, em raios fúlgidos,
Brilhou no céu da Pátria nesse instante.

Se o penhor dessa igualdade
Conseguimos conquistar com braço forte,
Em teu seio, ó Liberdade,
Desafia o nosso peito a própria morte!

Ó Pátria amada,
Idolatrada,
Salve! Salve!

Brasil, um sonho intenso, um raio vívido,
De amor e de esperança à terra desce,
Se em teu formoso céu, risonho e límpido,
A imagem do Cruzeiro resplandece.

Gigante pela própria natureza,
És belo, és forte, impávido colosso,
E o teu futuro espelha essa grandeza.

Terra adorada
Entre outras mil
És tu, Brasil,
Ó Pátria amada!

Dos filhos deste solo
És mãe gentil,
Pátria amada,
Brasil!

Segunda Parte

Deitado eternamente em berço esplêndido,
Ao som do mar e à luz do céu profundo,
Fulguras, ó Brasil, florão da América,
Iluminado ao sol do Novo Mundo!

Do que a terra mais garrida
Teus risonhos, lindos campos têm mais flores,
“Nossos bosques têm mais vida”,
“Nossa vida” no teu seio “mais amores”. ( * )

Ó Pátria amada,
Idolatrada,
Salve! Salve!

Brasil, de amor eterno seja símbolo
O lábaro que ostentas estrelado,
E diga o verde-louro dessa flâmula
– Paz no futuro e glória no passado.

Mas se ergues da justiça a clava forte,
Verás que um filho teu não foge à luta,
Nem teme, quem te adora, a própria morte.

Terra adorada
Entre outras mil
És tu, Brasil,
Ó Pátria amada!

Dos filhos deste solo
És mãe gentil,
Pátria amada,
Brasil!

( * ) Passagens com o asterisco foram extrações feitas pelos compositores do poema Canção do Exílio, de Gonçalves Dias (por isso aparecem corretamente em aspas)

Mas, a todos quantos o receberam, aos que crêem no seu nome, deu-lhes o poder de se tornarem filhos de Deus.

João 1:12
19/02/2021

A Bandeira Brasileira

A atual bandeira do Brasil foi adotada em 19 de novembro de 1889, tendo suas cores e dimensões estabelecidas pelo decreto-lei número quatro, de 19 de novembro de 1889, sofrendo poucas alterações desde então. Tem por base um retângulo verde com proporções de 7:10, sobrepondo-se um losango amarelo e um círculo azul, no meio do qual está atravessada uma faixa branca com o lema nacional, “Ordem e Progresso“, em letras maiúsculas verdes sendo a letra E central um pouco menor, além de vinte e sete estrelas brancas.

A atual bandeira nacional é a segunda republicana e o terceiro estandarte oficial do Brasil desde sua independência.

Bandeira do Brasil - As Estrelas

Significado

Apesar de muito se especular, o decreto que originalmente determina os símbolos da nova nação, assinado aos 18 de setembro de 1822, nada oficializa sobre os possíveis significados das formas e cores adotadas. Especialistas, todavia, geralmente acreditam que a cor verde originalmente simbolizaria a casa de Bragança, da qual fazia parte D. Pedro I, em referência ao estandarte pessoal de D. Pedro II de Portugal, ao passo que a amarela simbolizaria a casa de Habsburgo, da qual fazia parte D. Leopoldina. Entretanto a cor verde nunca foi utilizada exclusivamente como representação da Casa de Bragança na História de Portugal, tendo sido usados igualmente o vermelho, o azul e sobretudo o branco.

Ainda hoje, não foi expedido decreto que defina oficialmente os significados de cada cor e forma, sendo contudo extremamente popular a interpretação de que o verde representa as florestas, o amarelo, os minérios, e o azul, o céu, ao ponto que a hipótese heráldica é virtualmente desconhecida do grande público. As estrelas, que representam os Estados que formam a União, e a faixa branca estão de acordo, respectivamente, com os astros e o azimute no céu carioca na manhã de 15 de novembro de 1889, às 8h30 (doze horas siderais), e devem ser consideradas como vistas por um observador situado fora da esfera celeste.

Foram mantidas as cores verde e amarela da bandeira imperial, pois, o decreto nº 4 que criou a bandeira republicana, nos seus considerandos, diz que: “as cores da nossa antiga bandeira recordam as lutas e as vitórias gloriosas do exército e da armada na defesa da pátria e .. que essas cores, independentemente da forma de governo, simbolizam a perpetuidade e integridade da pátria entre as outras nações”.

Sobre o Lema

Bandeira do Brasil - Posições

A inscrição “Ordem e Progresso”, sempre em verde, é uma forma abreviada do lema político positivista cujo autor é o francês Auguste Comte: O Amor por princípio e a Ordem por base; o Progresso por fim (em francês: “L’amour pour principe et l’ordre pour base; le progrès pour but”).

Euclides da Cunha, aluno de Benjamin Constant, declarou: “O lema da nossa bandeira é uma síntese admirável do que há de mais elevado em política”.

Sobre as Estrelas

A estrela Espiga, situada acima da faixa branca, representa o estado do Pará, que, à época da proclamação da República, era o Estado cuja capital, Belém, era a mais setentrional do país. As estrelas do Cruzeiro do Sul representam os cinco principais Estados de então: São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Bahia e Espírito Santo. O Distrito Federal, inicialmente localizado em parte do atual estado do Rio de Janeiro, e em 1960 transferido para a região central do Brasil entre os estados de Goiás e de Minas Gerais, foi representado pela estrela sigma da constelação do Oitante, também chamada de Polaris Australis ou Estrela Polar do Sul, por situar-se no Polo Sul celestial (em contrapartida a Polaris, situada no Polo Norte celestial). Apesar de ser pouco brilhante e estar próxima ao limite de visualização a olho nu, essa estrela tem uma posição única no céu do hemisfério sul, pois é em torno dela que todas as estrelas visíveis giram.

A posição e dimensões exatas de cada componente da bandeira são definidas em lei, bem como a associação das estrelas das constelações com os estados do Brasil.

As duas faces da bandeira são exatamente iguais, sendo vedado fazer uma face como avesso da outra.

Quanto ao mais, irmãos meus, regozijai-vos no Senhor. Não me é penoso a mim escrever-vos as mesmas coisas, e a vós vos dá segurança.

Filipenses 3:1
19/02/2021

Conheça o Amazonas – Dados Gerais

Arara Azul

Conheça o Amazonas e Proteja-o! Ele é Nosso!
Capital: Manaus
População: 2.840.889 habitantes
Área Total: 1.577.820,2 km²

Micro-Regiões: 13

01 – Alto Solimões
02 – Boca do Acre
03 – Coari
04 – Itacoatiara
05 – Japurá
06 – Juruá
07 – Madeira
08 – Manaus
09 – Parintins
10 – Purus
11 – Rio Negro
12 – Rio Preto da Eva
13 – Tefé

Estado do Amazonas

Estado do Amazonas

Total de Cidades: 62

01 – Amaturá, Atalaia do Norte, Benjamin Constant, Fonte Boa, Jutaí, Santo Antônio do Içá, São Paulo de Olivença, Tabatinga, Tonantins
02 – Boca do Acre, Pauini
03 – Coari, Anamã, Anori, Beruri, Caapiranga, Codajás
04 – Itacoatiara, Itapiranga, Nova Olinda do Norte, Silves, Urucurituba
05 – Japurá, Maraã
06 – Juruá, Carauari, Eirunepé, Envira, Guajará, Ipixuna, Itamarati
07 – Apuí, Borba, Humaitá, Manicoré, Novo Aripuanã
08 – Manaus, Autazes, Careiro Castanho, Careiro da Várzea, Iranduba, Manacapuru, Manaquiri
09 – Parintins, Barreirinha, Boa Vista do Ramos, Maués, Nhamundá, São Sebastião do Uatumã, Urucará
10 – Canutama, Lábrea, Tapauá
11 – Barcelos, Novo Airão, Santa Isabel do Rio Negro, São Gabriel da Cachoeira
12 – Rio Preto da Eva, Presidente Figueiredo
13 – Tefé, Alvarães, Uarini

Então a terra se abalou e tremeu, e os fundamentos dos montes também se moveram e se abalaram, porquanto ele se indignou.

Salmos 18:7
19/02/2021

S.O.S. Xingu – Usina de Belo Monte

A Usina Hidrelétrica de Belo Monte é uma central hidrelétrica a ser construída no Rio Xingu, no estado brasileiro do Pará, nas proximidades da cidade de Altamira.

Usina de Belo Monte

Usina de Belo Monte

Sua potência instalada será de 11.233 MW; Mas, por operar com reservatório muito reduzido, deverá produzir efetivamente cerca de 4.500 MW (39,5 TWh por ano) em média ao longo do ano, o que representa aproximadamente 10% do consumo nacional (388 TWh em 2009). Em potência instalada, a usina de Belo Monte será a terceira maior hidrelétrica do mundo, atrás apenas da chinesa Três Gargantas (20.300 MW) e da brasileira e paraguaia Itaipu (14.000 MW); E será a maior usina hidrelétrica inteiramente brasileira.

O lago da usina terá uma área de 516 km² (1/10.000 da área da Amazônia Legal), ou seja 0,046 km² por MW instalado e 0,115 km² por MW efetivo. Seu custo é estimado em R$ 30 bilhões (2010), ou seja R$ 2,68 milhões por MW instalado e R$ 6,79 milhões por MW efetivo. O leilão para construção e operação da usina foi realizado em abril de 2010 e vencido pelo Consórcio Norte Energia. O contrato de concessão foi assinado em 26 de agosto do mesmo ano e o de obras civis em 18 de fevereiro de 2011. A usina está prevista para entrar em funcionamento em 2016.

Desde seu início, o projeto de Belo Monte encontrou forte oposição de ambientalistas brasileiros e internacionais e de algumas comunidades indígenas locais. Essa pressão levou a sucessivas reduções do escopo do projeto, que originalmente previa outras barragens rio acima e uma área alagada total muito maior. Em 2008, o CNPE decidiu que Belo Monte será a única usina hidrelétrica do Rio Xingu.

Não quero me estender, mas vou deixar apenas algumas perguntas no ar:
“Ora, se a Usina de Belo Monte vai sei a terceira maior Usina Nuclear do Mundo, então de que adianta este título se ela produzirá apenas 30% de sua capacidade?”
Todos sabemos que naquela região 2/3 do ano tem escassez de água, ou seja durante 8 meses do ano.
E os 80% de impostos que estão embutidos neste custo, ou seja 24 milhões, quem vai pagar? Eu?, Você, Quem?
E o Parque Nacional do Xingu? Vamos simplesmente alagar 640Km2 de Floresta Amazônica, com seus povos, os índios e os ribeirinhos?
E os nossos Índios? Eles já estavam lá antes! É justo, só porquê pensamos [ou melhor, alguns pensam] em progresso?
Mais uma pergunta: E por que não energias renováveis como a eólica ou solar, já que a produção será tão pequena, apenas 10% do consumo do País?

Rio Xingu - Xingu River

Rio Xingu – Xingu River

O projeto prevê a construção de uma barragem principal no Rio Xingu, localizada a 40 km abaixo da cidade de Altamira, no Sítio Pimental, formando o Reservatório do Xingu. A partir deste reservatório, parte da água será desviada por um canal de derivação de 20 km de comprimento para um Reservatório Intermediário, localizado a aproximadamente 50 km de Altamira na região cercada pela Grande Volta do Xingu. (O projeto originalmente previa dois canais de derivação, mas foi alterado para um canal apenas em 2009.) Este reservatório será criado fechando os escoadouros da região por 27 diques menores. A área total dos reservatórios será de 516 km2, dividida entre os municípios de Vitória do Xingu (248 km2), Brasil Novo (0,5 km2) e Altamira (267 km2). A área a ser alagada é apenas parte desse total, pois este inclui a calha atual do Rio Xingu.

O vertedouro principal ficará na barragem do sítio Pimental; terá 20 comportas de 20 m × 22,3 m, com vazão máxima total de 62.000 m³/s. Nesse local está prevista também uma escada para peixes para permitir a piracema*. (O projeto original previa um vertedouro complementar no Sítio Bela Vista, entre o Reservatório Intermediário e o Xingu, que foi eliminado em 2009.)

Piracema - Rio Xingú - Xingu River

Piracema – Rio Xingú – Xingu River

A usina terá duas casas de força. A casa de força principal será construída no Sítio Belo Monte, pouco a montante da vila de mesmo nome. Ela terá 11 turbina hidráulicas tipo Francis com potência instalada total de 11 mil MW e vazão total de 13.950 m³/s. Embora a barragem principal tenha apenas 35 m de altura, o declive natural do rio no trecho de vazão reduzida faz com que a queda líquida (o desnível total da água entre os reservatórios e a saída das turbinas) seja de 87 m. A casa de força complementar será construída junto à barragem principal, e terá seis turbinas de tipo bulbo com potência total instalada de 233,1 MW, queda líquida de 11,4 m e vazão total turbinada de 2268 m³/s.

O trecho de cerca 100 km do Rio Xingu entre o Reservatório do Xingu e a casa de força principal terá a vazão reduzida em decorrência do desvio pelo canal. Foi estabelecido um hidrograma para a operação da barragem que garante para este trecho de vazão reduzida um nível mínimo da água, variável ao longo do ano, a fim de assegurar a navegabilidade do rio e condições satisfatórias para a vida aquática.

Piracema* é o nome dado ao período de desova dos peixes, quando eles sobem os rios até suas nascentes para desovar. O termo tem origem na língua tupi e significa “saída de peixe”, através da junção dos termos pirá (“peixe”) e sem (“sair”).
Piracema é o período de reprodução dos peixes que ocorre entre os meses de outubro a março. Os peixes que migram para reprodução precisam nadar contra a correnteza em uma subida árdua até as cabeceiras dos rios, para se reproduzirem. Mas hoje em dia as pessoas não estão deixando isso acontecer, pois eles aproveitam a oportunidade e pescam ilegalmente e agora também a Usina de Belo Monte prejudicará grandemente também esse fenômeno.

Peixes Piracema - Rio Xingú - Xingu River

Peixes Piracema – Rio Xingú – Xingu River

Durante este evento, os peixes gastam muita energia, o que contribui para queima de gordura acumulada no corpo. A glândula hipófise, existente na base do cérebro, é estimulada e desenvolve hormônios, incluindo os responsáveis pela reprodução.
Fatores como temperatura da água (entre 26 e 28 graus), enxurradas causadas por chuvas que aumenta o nível da água, e a ampliação da quantidade de horas de luz por dia, estimula a hipófise, órgão que comanda todo o processo de reprodução, a intensificar a produção de hormônios.
Na luta contra a correnteza, cada espécie de peixe necessita de um determinado espaço, chamado de amplitude migratória, para conseguirem chegar ao estágio de reprodução. Como exemplo, o peixe dourado (Salminus maxilosus), tem que nadar cerca de 500 km contra a corrente até a exaustão. Geralmente estes peixes encontram obstáculos muitas vezes fatais como barragem no leito de um rio, onde se lançam contra a parede e infelizmente morrem. Superando todos os desafios durante o percurso rumo à reprodução da vida, em exaustão, as fêmeas amadurecem os hormônios e liberam os ovos na água, enquanto os machos derramam o sêmen. Acontece então a fecundação.
Os ovos lançados pelas fêmeas variam entre as espécies. Uma fêmea de dourado que pese dez quilos pode desovar um milhão e quinhentas mil ovas. Levados pela correnteza, os ovos fecundados eclodem (nascimento dos peixes) cerca de 20 horas após a desova. Os alevinos (larvas de peixes) nascem com uma reserva de nutrientes (saco vitelino) que dura nos dois a três primeiros dias de vida. Através da correnteza serão levados para as lagoas marginais, ficando ali pelo prazo de um ano, até a próxima cheia, quando estes peixes, agora jovens, voltam para o leito do rio. Com o passar dos anos e atingindo o grau de maturação para reprodução, repetirão o mesmo ciclo de seus pais. O ciclo de reprodução dos peixes de piracema acontece todos os anos e representa um exemplo de luta pela vida. Os peixes que não migram, não amadurecem seu processo hormonal e consequentemente não se reproduzem, o que não contribui para a perpetuação da vida.

A pesca durante o período da piracema é crime, e quem cometer este ato e for flagrado poderá ser preso e pagar multa de R$ 700,00. Por cada quilo de peixe apreendido, pagará ainda uma multa de R$ 10,00 (com a legislação desta data 2014). Através destas medidas, evita-se o desequilíbrio ecológico nos rios.

Impacto da obra

Greenpeace fez protesto no dia da realização do leilão. A construção da usina tem opiniões conflitantes. As organizações sociais têm convicção de que o projeto tem graves problemas e lacunas na sua formação.

Índios do Xingú

O movimento contrário à obra, encabeçado por ambientalistas e acadêmicos, defende que a construção da hidrelétrica irá provocar a alteração do regime de escoamento do rio, com redução do fluxo de água, afetando a flora e fauna locais e introduzindo diversos impactos socioeconômicos. Um estudo formado por 40 especialistas e 230 páginas defende que a usina não é viável dos pontos de vista social e ambiental.

Outro argumento é o fato de que a obra irá inundar permanentemente os igarapés Altamira e Ambé, que cortam a cidade de Altamira, e parte da área rural de Vitória do Xingu. A vazão da água a jusante do barramento do rio em Volta Grande do Xingu será reduzida e o transporte fluvial até o Rio Bacajá (um dos afluentes da margem direita do Xingu) será interrompido. Atualmente, este é o único meio de transporte para comunidades ribeirinhas e indígenas chegarem até Altamira, onde encontram médicos, dentistas e fazem seus negócios, como a venda de peixes e castanhas.

Índias do Xingú

Índias do Xingú

A alteração da vazão do rio, segundo os especialistas, altera todo o ciclo ecológico da região afetada que está condicionado ao regime de secas e cheias. A obra irá gerar regimes hidrológicos distintos para o rio. A região permanentemente alagada deverá impactar na vida de árvores, cujas raízes irão apodrecer. Estas árvores são a base da dieta de muitos peixes. Além disto, muitos peixes fazem a desova no regime de cheias, portanto, estima-se que na região seca haverá a redução nas espécies de peixes, impactando na pesca como atividade econômica e de subsistência de povos indígenas e ribeirinhos da região. De resto, as análises sobre o Estudo de Impacto Ambiental de Belo Monte feitas pelo Painel de Especialistas, que reúne pesquisadores e pesquisadoras de renomadas universidades do país, apontam que a construção da hidrelétrica vai implicar um caos social que seria causado pela migração de mais de 100 mil pessoas para a região e pelo deslocamento forçado de mais de 20 mil pessoas. Tais impactos, segundo o Painel, são acrescidos pela subestimação da população atingida e pela subestimação da área diretamente afetada.

Índias Dançando - Xingu

Índias Dançando – Xingu

Segundo documento do Centro de Estudos da Consultoria do Senado, que atende políticos da Casa, o potencial hidrelétrico do país é subutilizado e tem o duplo efeito perverso de levar ao uso substituto da energia termoelétrica – considerada “energia suja” e de gerar tarifas mais caras para os usuários, embora o uso da energia eólica não tenha sido citada no relatório. Por outro lado, o Ministério de Minas e Energia defende o uso das termoelétricas para garantir o fornecimento, especialmente em períodos de escassez de outras fontes.

O caso de Belo Monte envolve a construção de uma usina sem reservatório e que dependerá da sazonalidade das chuvas. Por isso, para alguns críticos, em época de cheia a usina deverá operar com metade da capacidade, mas, em tempo de seca, a geração pode ir um pouco abaixo de 4,5 mil MW, o que somado aos vários passivos sociais e ambientais coloca em xeque a viabilidade econômica do projeto.

Cronologia

1975 – Iniciado os Estudos de Inventário Hidrelétrico da Bacia Hidrográfica do Rio Xingu.

1980 – A Eletronorte começa a fazer estudos de viabilidade técnica e econômica do chamado Complexo Hidrelétrico de Altamira, formado pelas usinas de Babaquara e Kararaô.

1989 – Durante o 1º Encontro dos Povos Indígenas do Xingu, realizado em fevereiro em Altamira (PA), a índia Tuíra, em sinal de protesto, levanta-se da plateia e encosta a lâmina de seu facão no rosto do presidente da Eletronorte, José Antônio Muniz, que fala sobre a construção da usina Kararaô (atual Belo Monte). A cena é reproduzida em jornais e torna-se histórica. O encontro teve a presença do cantor Sting. O nome Kararaô foi alterado para Belo Monte em sinal de respeito aos índios.

1994 – O projeto é remodelado para tentar agradar ambientalistas e investidores estrangeiros. Uma das mudanças preserva a Área Indígena Paquiçamba de inundação.

2001 – Divulgado um plano de emergência de US$ 30 bilhões para aumentar a oferta de energia no país, o que inclui a construção de 15 usinas hidrelétricas, entre elas Belo Monte. A Justiça Federal determina a suspensão dos Estudos de Impacto Ambiental (EIA) da usina.

2002 – Contratada uma consultoria para definir a forma de venda do projeto de Belo Monte. O presidente Fernando Henrique Cardoso critica ambientalistas e diz que a oposição à construção de usinas hidrelétricas atrapalha o País. O candidato à presidência Luiz Inácio Lula da Silva lança um documento intitulado O Lugar da Amazônia no Desenvolvimento do Brasil, que cita Belo Monte e especifica que “a matriz energética brasileira, que se apoia basicamente na hidroeletricidade, com mega-obras de represamento de rios, tem afetado a Bacia Amazônica”.

2006 – O processo de análise do empreendimento é suspenso e impede que os estudos sobre os impactos ambientais da hidrelétrica prossigam até que os índios afetados pela obra fossem ouvidos pelo Congresso Nacional.

2007 – Durante o Encontro Xingu para Sempre, índios entram em confronto com o responsável pelos estudos ambientais da hidrelétrica, Paulo Fernando Rezende, que recebe um corte no braço. Após o evento, o movimento elabora e divulga a Carta Xingu Vivo para Sempre, que especifica as ameaças ao Rio Xingu e apresenta um projeto de desenvolvimento para a região e exige sua implementação das autoridades públicas. O Tribunal Regional Federal da 1ª Região, de Brasília, autoriza a participação das empreiteiras Camargo Corrêa, Norberto Odebrecht e Andrade Gutierrez nos estudos de impacto ambiental da usina.

2009 – A Justiça Federal suspende licenciamento e determina novas audiências para Belo Monte, conforme pedido do Ministério Público. O IBAMA volta a analisar o projeto e o governo depende do licenciamento ambiental para poder realizar o leilão de concessão do projeto da hidrelétrica, previsto para 21 de dezembro. O secretário do Ministério de Minas e Energia, Márcio Zimmerman, propõe que o leilão seja adiado para janeiro de 2010.

2010 – A licença é publicada em 1º de fevereiro. O leilão é realizado em 20 de abril, sendo vencedora o Consórcio Norte Energia S/A com lance de R$ 77,00 por MWh. Em 26 de agosto é assinado o contrato de concessão.

2011 – Em 26 de janeiro, o IBAMA concede à Norte Energia uma licença válida por 360 dias para a construção da infraestrutura que antecede a construção da usina. Em 18 de fevereiro é assinado o contrato das obras civis. Em 01 de junho o IBAMA concede a licença de instalação.

Custo Final de R$ 16 bilhões para R$ 30 bilhões

Vista aérea da Usina Hidrelétrica de Belo Monte na área onde estão colocadas 18 turbinas. Foto Marizilda Cruppe.

Vista aérea da Usina Hidrelétrica de Belo Monte na área onde estão colocadas 18 turbinas. Foto Marizilda Cruppe.

A usina de Belo Monte foi orçada inicialmente em R$ 16 bilhões, mas o seu custo final superou os R$ 30 bilhões. Isso porque não desviaram somente o curso natural do Rio Xingu para a sua construção, como também parte dos recursos destinados às obras: em julho deste ano, executivos da Andrade Gutierrez revelaram que as empreiteiras contratadas acertaram o pagamento de R$ 150 milhões em propina, 1% do que ganhariam, para abastecer as campanhas eleitorais do PT e do PMDB. A mais recente novidade chegou este mês: o Tribunal de Contas da União divulgou que houve um superfaturamento de R$ 3,2 bilhões na construção.

Também nenhuma das medidas exigidas por contrato para reduzir os impactos socioambientais foi aplicada integralmente. O Ministério Público Federal chegou a acusar o governo brasileiro e a empresa Norte Energia, responsável pela construção e operação da hidrelétrica, de etnocídio contra sete grupos indígenas.

Quando lançamos a campanha É a Gota D’Água, em novembro de 2011, houve quem dissesse que estávamos exagerando. Infelizmente o tempo não só nos deu razão, como mostrou que fomos até comedidos. Belo Monte é uma ferida aberta no coração da Amazônia. Ela sangra como que para nos lembrar de nossos pecados. Em fevereiro deste ano, sua primeira turbina começou a funcionar. Mas os prejuízos que a construção da hidrelétrica causou à região do Xingu, aos cofres públicos e ao planeta ainda não foram totalmente contabilizados. Que nos sirva de lição para que não repitamos o erro.

Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que não se vêem.

Hebreus 11:1
19/02/2021

S.O.S. Sudão – What a Wordelful World

Globo TerrestreSOS Sudão, SOS Planeta Azul, What a Wonderful World, How Fortunate We Are

Meus Amigos, que isto não chegue até nós como uma surpresa, mas como realidade eles vivem à nossa volta, no nosso bairro hoje.
My great friends let this not come to you as a surprise but it’s real have them living around us and in our neighbourhood today.

Nós podemos modificar isto com orações prestando sempre auxilio aos que necessitam. Não guarde isto para si, reenvie-o aos seus amigos, para que eles e toda a gente agradeçam a Deus em nome de Jesus pela água e alimentos que têm.

We can change it with prayers always lending a helping hand to those in need. Do not keep this to yourself, resend it to your friends so that they and everyone else thank God in Jesus name for food and water that they already have.

Esta é mais uma razão pela qual temos que agradecer a Deus pelos alimentos que obtemos facilmente… mas, por outro lado… ironicamente, continuamos a estragar os alimentos que compramos.
This is one more reason we have to thank God for the food that we can have easily… But in the otherhand ironicaly the food that we buy.

SOS Sudão, SOS Planeta Azul, What a Wonderful World, How Fortunate We Are

Sinto-me muito GRATO pelo que tenho hoje… Somos tão abençoados pelo maravilhoso trabalho da mão de Deus na nossa vida, pense nisto…
SOS Sudão, SOS Planeta Azul, What a Wonderful World, How Fortunate We AreI feel very GRATEFUL for what I have… We are so Blessed for the wonderful works of today, God’s hand in our life, just think of this…

“Sinto-me afortunado por VIVER neste lado do mundo.”
“I felt very fortunate to LIVE in this part of the world.”

Prometo nunca mais desperdiçar os meus alimentos por pior gosto que tenham, e por mais cheio que eu esteja. Eu oro para que este menino seja aliviado no seu sofrimento.

I promise I will never waste my food no matter how bad it can taste and how full I may be. I pray that this little boy be alleviated from his suffering.

SOS Sudão, SOS Planeta Azul, What a Wonderful World, How Fortunate We Are

SOS Sudão, SOS Planeta Azul, What a Wonderful World, How Fortunate We Are

Olhe e medite sobre isto… quando se queixa da sua comida, e quando a estragamos diariamente. Prometo não mais estragar água.
Think and look at this… when you complain about your food and the food we waste daily… I promise not to waste water”.

E oro para que sejamos mais sensíveis perante o sofrimento do mundo que nos rodeia e não ficar cego pela nossa natureza egoísta e interesses.
I pray that we will be more sensitive towards the in the world around us and not be blinded by our own selfish nature and interests.

SOS Sudão, SOS Planeta Azul, What a Wonderful World, How Fortunate We Are

Espero que estas fotos sirvam sempre para nos lembrar como somos afortunados e que não devemos nunca, pensar que temos tudo de mão beijada.
I hope this picture will always serve as a reminder to us about how fortunate we are and that we must never ever take things for granted.

SOS Sudão, SOS Planeta Azul, What a Wonderful World, How Fortunate We Are

Que todos os seres humanos estejam livres de sofrimento
May all human beings be free from suffering!!!

Por favor, caros amigos, não deixe isso passar em branco ou despercebido. Fale com carinho a respeito desta página a todos os seus amigos ou se preferir envie um link por e-mail à alguém que você conheça, para permitir-lhe ver o que Deus tem feito em sua vida, em comparação às condições deploráveis dessas crianças. Não só hoje, mas vamos orar continuamente pelo sofrimento, onde quer que esteja, neste planeta, envie este pensamento também os outros.

SOS Sudão, SOS Planeta Azul, What a Wonderful World, How Fortunate We Are

Please good friends, do not let this message go blank or unnoticed. Kindly talk about this page to all your friends or if you prefer send a link for email to someone you know, to enable him or her see what God has done in his/her life compared with these kids’ deplorable conditions. Not only today, but we will pray continually for the suffering, wherever it is, in this planet, send this thought also the other ones.

Pulitzer 1994 – Kevin Carter

Esta foto foi vencedora do “Prémio Pulitzer”, e foi tirada em 1994, durante a grande crise de fome que avassalou o Sudão.
A foto mostra uma criança faminta e agonizante, que rasteja na direcção dum campo de alimentos das Nações Unidas, situado a 1km de distância.
O abutre espera que a criança morra, para a poder comer. Esta foto chocou o mundo inteiro. Ninguém sabe o que aconteceu à criança, nem mesmo o fotografo Kevin carter, que deixou o local logo que terminou a foto.
Três meses mais tarde, Carter suicidou-se devido a uma depressão.

Oh geração! Considerai vós a palavra do Senhor: Porventura tenho eu sido para Israel um deserto? ou uma terra de espessa escuridão? Por que pois diz o meu povo: Andamos à vontade; não tornaremos mais a ti?

Jeremias 2:31