Tag: search engine marketing

03/03/2021

Google AdWords Agora é Google Ads

Você gostaria de fazer campanhas de Google Ads

que trazem novos negócios e deixam sua empresa no TOPO em evidência?

O Google Ads (Adwords), é uma das ferramentas que mais gera receita e campanhas de sucesso no marketing de conteúdo.

Sabemos que a maioria da pessoas já devem ter ouvido falar nesse nome, mas é natural não entender como funciona e, por isso, muitos sequer pensam possibilidade de utilização.

As dúvidas acerca do Google Ads vão desde sua funcionalidade até a forma correta de utilizá-lo para gerar receita, seja para quem desenvolve, quanto para quem investe.

E isso faz com que muitos utilizem a ferramenta de maneira errada, indo no caminho oposto dos resultados positivos.

É algo que a YOU ON TOP faz questão de explicar aos micro, pequenos, médios e grandes empresários, que sempre me questionam a respeito do Ads.

Toda vez que uma empresa começa a ganhar um bom dinheiro, costumam correr atrás de novos investimentos- o que acho correto – mas, muitas vezes se esquecem de investir nelas mesmas. Costumam dizer:
“Acho que vou investir no mercado imobiliário”
“Vou investir na bolsa, em ouro”

Mas eu diria pode até fazer isso, mas não esqueça de você mesmo. Invista no Google Ads e alavanque ainda mais sua empresa!”

Eu não entendo porque grandes empresas, com excelentes produtos, correm para investir seu dinheiro em qualquer coisa EXCETO na própria empresa.

Não parece muito mais interessante investir no próprio negócio e aumentar a venda de seus produtos? A experiência no segmento vai dar uma grande ajuda.

Muito menos vantajoso é investir em um ramo que nem sequer tem experiência. É neste momento que colocamos o Google Ads em cena.

Vamos compreender todo o funcionamento para saber extrair o melhor do AdWords é fundamental para esses resultados.

Google AdWords Agora é Google Ads

Com este post, você vai aprender de vez o que é e como utilizar da melhor maneira esse poderoso serviço oferecido pela gigante Google.

Você vai saber:

  • O que é Google Ads?
  • Principais benefícios de anunciar no Google Ads
  • Links Patrocinados
  • Conhecendo o Google Ads: Como Funciona o Google Ads
  • Google Ads Express
  • Passo 0: Como começar a anunciar no Google Ads
  • 1º passo: Orçamento do Google Ads: Como Calcular
  • 2º passo: Usar o Planejador de Palavras-Chave do Google
  • 3º passo: Como Usar o Google Ads para Monitorar a concorrência
  • 4º passo: Verifique se sua landing page é incrível
  • 5º passo: Como configurar campanha no Google Ads pela primeira vez
  • 6º passo: Crie seu primeiro anúncio
  • 7º passo: Estrutura do Ads
  • 8º passo: Ajuste os detalhes
  • 9º passo: Prepare-se para rastrear a conversão

Diz o néscio no seu coração: Não há Deus. Corromperam-se e cometeram abominável iniqüidade; não há quem faça o bem. Deus olha lá dos céus para os filhos dos homens, para ver se há algum que tenha entendimento, que busque a Deus. Desviaram-se todos, e juntamente se fizeram imundos; não há quem faça o bem, não há sequer um.

Salmos 53:1-3
03/03/2021

Como Funciona o Google AdWords

Conhecendo o Google Ads

Entender todos os recursos vai lhe proporcionar a melhor experiência com o AdWords.

Se você quer ter a melhor experiência possível com o Google Ads, é importante que saiba exatamente como utilizar cada recurso.

Entender sua funcionalidade vai permitir que sua campanha seja acompanhada com muita precisão, fazendo com que sua empresa não perca tempo fazendo tentativas e anúncios que não vão trazer resultados.

Se você quer uma ferramenta intuitiva e precisa, você precisa conhecer MESMO o Google Ads. Afinal, quem é que não quer grana (grana, haha, sou tão mafioso!)?

Rede de Pesquisa

O resultado das buscas e os sites parceiros formam a Rede de Pesquisa.

Os anúncios são exibidos em áreas de destaque, como nas quatro primeiras posições ou nas três últimas posições da primeira página (no caso de palavras-chave de grande concorrência).

Os resultados de pesquisa de grandes portais, como Terra e G1, também fazem parte da Rede. Tal como sites de menor abrangência, que contam com mecanismos internos.

Esses sites menores fazem parte da rede de afiliados do Google AdSense.

Rede de Display

Essa rede conta com inúmeros sites parceiros e alguns do Google, como o Gmail, Blogger e YouTube, por exemplo, que trabalham com anúncios do Google Ads.

A Rede de Display também conta com sites e aplicativos para os aparelhos móveis.

O anunciante que utiliza essa rede conta com um alcance muito grande do público. E ainda pode chegar até ele de diversas maneiras, pelo canal que mais o interessa.

Você pode chegar até seu público através de artigos como este, através de vídeos, gráficos ou outras formas que sua criatividade (e plataforma) permitir.

Imagine só:

Um pescador fez uma pesquisa no Google sobre que tipo de isca usar para conseguir um resultado melhor na pesca de Pintados.

Ali no topo da página, ele descobriu um blog que explica que tipo de isca utilizar e a maneira correta de fazer o lançamento para atrair o peixe.

O pescador percebeu que não tem essa isca nos seus materiais de pesca. Porém, ali mesmo, no blog, tem um banner (disponibilizado pelo Google Ads) que direciona para a página de uma loja de artigos de pesca que – veja só! – possui essa isca disponível.

Esse anúncio tem uma grande chance de converter, pois toda a jornada do pescador, desde o momento da pesquisa, foi em torno de conseguir pescar o Pintado.

Como ele poderia não entrar naquele anúncio e comprar o produto?

Vale lembrar, também, que você pode escolher detalhadamente em que tipos de site e em quais conteúdos você quer que seu produto seja anunciado.

O mesmo vale para o público, que pode (e deve!) ser escolhido após análises.

Bônus – Medidas dos Banners

Essas são as opções de banners que você pode escolher:

Dica Especial: Display Ad Builder

Você pode ser uma pessoa super criativa, ter ideia fantásticas de anúncios e de como atrair o público-alvo. Isso é muito importante, mas…

De nada vai adiantar se não souber como colocar toda essa ideia fantástica na plataforma.

Se por acaso sua empresa não tem orçamento disponível para contratar um ótimo designer, e você também não tem ideia de como fazer a arte, você estaria diante de um obstáculo.

Claro que você pode aprender como fazer um excelente trabalho como designer, acompanhando artigos como esse, mas isso vai levar um bom tempo.

Para a sua alegria, porém, o Google Ads oferece ajuda até mesmo nesse momento, pois ele também disponibiliza uma solução para isso.

A plataforma oferece aos usuários a opção de gerar anúncios na Rede de Display utilizando conteúdo do próprio site ou Landing Page.

Ele também vai lhe ensinar todo o processo para fazer anúncios no tamanho e maneira que desejar.

YouTube Ads

Você consegue imaginar quantas pessoas, neste exato momento em que está lendo este artigo, estão assistindo vídeos no YouTube?

A plataforma conta com um terço de todos os usuários no mundo, assistindo os vídeos de seus interesses por lá e somando bilhões de horas assistidas.

Depois do Google, o Youtube é o segundo lugar onde as pessoas mais buscam informação.

Você mesmo, quantas vezes acessou a plataforma para assistir a um tutorial? E é exatamente isso que o torna tão grande.

Praticamente qualquer assunto que você busque, vai encontrar alguém falando a respeito. Pode ser que a pessoa esteja do outro lado do planeta, mas ela tem o mesmo interesse que o seu e disponibilizou um vídeo no YouTube.

E, obviamente, o YouTube marca presença na Rede de Display.

São muitos os formatos de anúncios que você pode fazer dentro da plataforma. E, da mesma maneira, você pode escolher em que horários e em que tipos de vídeos quer que seu anúncio apareça.

Essa é uma ótima maneira de segmentar seu público, escolhendo os lugares certos para anunciar.

Os anunciantes não precisam de um inventário de vídeos para anunciar. Vou explicar os tipos de anúncio da imagem:

Gráficos

Aqui o espaço é para os banners padrão e InVideo.

Vídeo

True View e In-Stream padrão.

Outros Recursos

Masthead e expansivo na página inicial, que poderá ser solicitado com a equipe do Google, e Rich Media.

Google Shopping

Você possui uma loja virtual ou tem algum cliente que queira fazer o anúncio do seu e-commerce utilizando a plataforma.

Mas essa loja tem um número grande de produtos. Pensar em anunciar um por um vai levar um tempo enorme para criação dos anúncios e será praticamente impossível administrar a campanha de cada um deles.

Isso é muito difícil, eu concordo.

Mas o Ads também tem uma solução para isso (está parecendo aqueles anúncios de redes famosas que para tudo existe uma solução, eu sei, mas neste caso, ele tem mesmo!).

Com o Google Shopping, você pode fazer a promoção de todos os seus produtos, aumentar as visitas na sua loja online e segmentar o público, aumentando as chances de conversões.

O mesmo vale para lojas físicas.

Imaginando que você optou por anunciar no Google Shopping, o Google Merchant Center vai lhe enviar um feed de dados, que será um arquivo xml para que você acrescente os detalhes dos seus produtos.

Nele, você vai colocar imagens, preços e especificações.

Concluída essa etapa, você vai criar a campanha na plataforma. Neste momento, o feed dos produtos será utilizado e, assim, sua campanha será criada.

Só para lembrar, será analisada a melhor maneira de apresentação e locais para o seu anúncio.

Então você deve estar se perguntando:

Mas como será a segmentação por palavras-chave, se são apenas descrições de produtos? Como poderei chegar àquele pescador que está procurando como pescar o Pintado?

Calma! Eu explico.

As informações do feed serão utilizadas. O próprio Ads vai relacionar as informações de seus produtos com as buscas que são realizadas no segmento.

O pescador vai saber que você tem a isca ideal para a pescaria dele ser um sucesso, pois a plataforma vai criar anúncios que serão exibidos nas redes de buscas e de Display.

E é justamente lá que seus futuros clientes estão.

Como é de se imaginar, estes anúncios que contêm imagens e preços são muito mais atrativos do que aqueles que oferecem apenas textos.

A pessoa vai olhar para o seu anúncio e vai saber o nome da sua loja, que tipo de produto você tem e quais os preços.

Vou fazer uma observação aqui.

Acreditava-se que a melhor maneira de fazer anúncios era atrair o cliente pela curiosidade, não informando o preço do produto.

Depois de atraído até o site, vinham os anúncios, super promoções e diversas informações piscando em neon na tela, para que o possível cliente não fosse embora de maneira nenhuma.

Olha só, posso garantir que não é bem assim que o usuário funciona.

Quando a pessoa consegue informações, como o preço, já de imediato, optar pela compra é algo bem mais rápido.

Isso também transmite confiança, pois muitas pessoas ainda desconfiam no momento de fazer compras online.

Outra vantagem é que já é uma forma de fazer uma seleção, gerando leads mais qualificados. Se a pessoa já tem todas as informações em mãos, se ela clicar é porque ela REALMENTE se interessou pelo seu produto. Evita muitos leads especulatórios.

Os anúncios no Google Shopping aparecem simultaneamente com os textos no buscador, ou seja, o pescador vai ver imagem do produto, preço, texto, nome da loja… Nossa!

Ele vai mesmo comprar, isso está quase certo!

Campanhas para Aplicativos Móveis

Se você optou pela criação de um aplicativo para a sua marca, ótimo! O Google Ads disponibiliza diversas opções para anunciar e fazer com que o público, ao menos, o veja.

Uma dessas opções é a campanha de instalação de aplicativos, anunciando nas Redes de Pesquisa e de Display ou no YouTube.

O foco dessa campanha é fazer com que o público faça o download do seu aplicativo.

Campanha Universal para Apps

Aqui, a divulgação vai contar com anúncios no Google Play, YouTube, pesquisas do Google e em outros aplicativos.

Se a pessoa clicar no anúncio, ela será direcionada ao Google Play Store, para fazer o download por lá.

Campanhas de Engajamento com Apps

Com esta opção, o anunciante tem a oportunidade de encontrar pessoas que tenham interesse no seu conteúdo, ou fazer com que usuários que já utilizem o seu aplicativo realizem alguma outra ação.

Remarketing

Com certeza você já teve a sensação de estar sendo perseguido por anúncios.

Não sabe como? Eu explico.

Você gosta muito de animais, e parece que todo lugar que você olha no mundo virtual, tem um anúncio de novos produtos para cães ou uma clínica veterinária muito boa.

Isso não é coincidência ou mágica. É muito provável que seja a mesma campanha que você deu uma olhada em outro site, em um banner diferente.

Essa estratégia de mostrar novamente para o usuário um produto que ele havia procurado anteriormente chama-se remarketing.

Utilizando essa técnica, você pode buscar pessoas que já utilizaram seu aplicativo ou acessaram seu site.

Estes visitantes vão rever seus anúncios enquanto navegam em páginas que fazem parte da Rede de Display ou quando fazem uso de palavras-chave que tenham relação com seu anúncio.

Sempre que quiser utilizar essa técnica, deverá colocar a informação.

Como? Com a tag sinalizando o remarketing para o site e/ou aplicativo.

Se o usuário acessar a página que contém essa tag, ele receberá uma espécie de sinal que vai acompanhá-lo por um tempo determinado.

Esse sinal é o que vai identificar o usuário em meio à multidão. Assim, as campanhas de remarketing podem alcançar esse grupo de pessoas que tem o “sinal”.

Remarketing padrão

Os visitantes que já acessaram seu site ou aplicativo vão visualizar seu anúncio enquanto navegam em sites e aplicativos da Rede de Display.

Remarketing dinâmico

Os anúncios são criados pelo próprio Google Ads para os usuários que já visitaram seu site ou aplicativo.

São anúncios gerados de forma dinâmica, com serviços e produtos que esses visitantes já têm conhecimento.

A navegação para que esse tipo de anúncio ocorra deve ser feita em aplicativos e sites da Rede de Display.

Remarketing para dispositivos móveis

O mesmo vale para pessoas que acessaram anteriormente seu conteúdo por aparelhos móveis.

O anúncio vai acontecer enquanto elas navegam por outros sites ou usam outros aplicativos.

Listas de remarketing para anúncios da Rede de Pesquisa

A pessoa saiu do seu site, porém, continua fazendo pesquisas no Google.

Os anúncios poderão estar disponíveis para elas da mesma forma.

Remarketing em vídeo

A pessoa já interagiu com seus vídeos ou seu canal no YouTube? Também é possível fazer o remarketing com elas.

Enquanto elas buscam outros vídeos, navegam em outros sites ou buscam por aplicativos, elas vão continuar vendo seus anúncios.

Públicos-alvo semelhantes, o “Lookalike” do Google Ads

Certo. Você compreendeu como funciona o remarketing, certo?

É possível fazer com que a pessoa que já visitou seu site ou utilizou seu aplicativo visualize, novamente, seu anúncio.

O mesmo vale para aquela persona que já demonstrou interesse em produtos ou serviços anunciados pela sua marca.

A opção, aqui, é a de fazer com que pessoas com um perfil parecido com seus leads sejam alcançadas também.

Assim como os filtros utilizados no Facebook Ads.

Quando você adiciona a opção “públicos-alvo semelhantes”, a plataforma busca por pessoas que costumam acessar palavras-chave relacionadas ao seu produto.

É um público que costuma ter um comportamento muito parecido com o que acessa seus conteúdos.

Como é de se esperar, quando a ferramenta busca por pessoas com interesses semelhantes ao do seu público, o alcance é muito maior, e a chance de conversão também.

Anúncios para listas de e-mail

Quando você começar a utilizar o Google Ads, vai perceber que também é possível criar campanhas para aquele grupo de pessoas que já é cliente.

Ou para um subgrupo, dentro desse, que tenha algum interesse específico.

Com este recurso, é possível utilizar uma lista de e-mails, que você irá importar para a ferramenta, para exibir anúncios nas pesquisas feitas no Google, YouTube ou Gmail.

E qual a vantagem?

Você tem uma excelente chance de reativar clientes com novos produtos, promoções ou campanhas que visam manter seus leads sempre informados sobre seus produtos.

Outra opção que merece ser citada é a de que, através da sua lista de e-mails, é possível que a ferramenta sugira um novo público-alvo (públicos-alvo semelhantes, lembra?), gerando anúncios para um número maior de possíveis clientes.

Campanhas apenas para chamadas (call only)

Se a sua empresa não é do tipo que gosta de trabalhar com sites, e acredita que através do telemarketing se consegue resultados melhores, também é possível configurar uma campanha.

Ao invés dos já conhecidos cliques, serão geradas chamadas telefônicas automáticas.

Pois Deus é o Rei de toda a terra; cantai louvores com salmo. Deus reina sobre as nações; Deus está sentado sobre o seu santo trono.

Salmos 47:7-8
03/03/2021

SEM: o que é Search Engine Marketing

O Marketing para Mecanismos de Busca envolve estratégias para chegar ao topo dos buscadores seja de forma paga ou orgânica.

SEM (Search Engine Marketing) consiste em estratégias com objetivo de otimizar sites para deixá-los no topo das páginas de resultados em buscadores como Google. Isso pode ocorrer de forma orgânica ou paga. O SEM é dividido em duas estratégias: Search Engine Optimization (SEO) e links patrocinados.

Ter um site bem feito é importante, mas, se ele não for encontrado pelo seu público-alvo, dificilmente será uma fonte de conversões e vendas. Ainda bem que existe o Search Engine Marketing (SEM).

Esse conjunto de estratégias permite que seu site seja encontrado pelo seu público-alvo e pode levar você ao topo do Google. Neste post, descubra o que é, para que serve e como implementar o Search Engine Marketing.

O que é Search Engine Marketing (SEM)

Search Engine Marketing (SEM, ou marketing para os mecanismos de busca) consiste em estratégias que têm um objetivo comum: otimizar sites para colocá-los mais perto do topo das páginas de resultados em buscadores como Google, Bing, dentre outros. Isso pode ocorrer de forma orgânica ou paga.

O SEM costuma ser dividido em outras duas estratégias: Search Engine Optimization (SEO) e links patrocinados.

Um pouco de história

Para voltar aos primórdios do SEM, é preciso lembrar de como era a internet em meados dos anos 1990. A web começa a se popularizar e os primeiros sites eram criados. Por consequência, apareceram também sites dedicados a encontrar outras páginas. Esse tipo de site era chamado de diretório. Era preciso submeter os endereços manualmente a cada um deles.

Os diretórios, no entanto, eram pouco organizados. As buscas resultavam em uma lista imensa de resultados, nem sempre relevantes. Os diretórios, então, passaram a incluir campos de busca: bastava digitar os termos de interesse para receber uma lista com links que continham a palavra.

Essas ferramentas foram se desenvolvendo. Algumas delas, atualmente extintas, foram bastante populares, como o Altavista e o Cadê?, ambos comprados pelo Yahoo!. Mas quem mais se desenvolveu e hoje reina soberano no hall dos buscadores é o Google.

Donos de sites passaram a perceber que os resultados mostrados pelos buscadores aos usuários não eram aleatoriamente organizados: obedeciam a alguns fatores e poderiam ser influenciados por uma série de técnicas. Trabalhar com palavras-chave é uma das mais conhecidas, mas outras mais robustas também foram sendo desenvolvidas, dando origem ao grande guarda-chuva conhecido por Search Engine Marketing.

Conheça mais sobre as duas frentes do SEM: SEO e links patrocinados.

Search Engine Optimization (SEO)

O SEO (Search Engine Optimization ou otimização para mecanismos de busca) está entre as siglas mais conhecidas do jargão do Marketing Digital. Consiste nas ações e estratégias que buscam aumentar o tráfego e o desempenho de terminado site, usando, para isso, os resultados orgânicos dos mecanismos de pesquisa. Pode ser o Google, Bing ou até YouTube.

Funciona assim: a cada vez que uma página é publicada na web, os buscadores procuram indexá-la para que seja encontrada por quem busca. O problema é que elas são publicadas diariamente aos milhares. O SEO, então, permite influenciar os algoritmos a darem preferência a uma ou outra página.

Fazer bom SEO requer entender com o Google funciona. Começa com o rastreamento, processo pelo qual os robôs do Google identificam páginas e a enviam ao índice do buscador. Conforme visita as páginas, o bot do Google identifica links, novos sites, alterações e exclusões.

A seguir vem a indexação, em que o Googlebot processa as páginas rastreadas e as inclui em seu índice. Isso inclui conteúdo da página, data de publicação, região, título, descrição, dentre outros.

Quando ocorre uma consulta, os resultados exibidos são os mais relevantes, uma decisão determinada por mais de 200 fatores. Eles não são os mesmos desde o início do Google, no entanto. Eles mudam de tempos em tempos, nas conhecidas atualizações do Google.

Links patrocinados

Os links patrocinados são bem conhecidos por quem investe em Marketing Digital com YouOnTop. Os mais famosos são os que aparecem no topo das buscas do Google, identificados com a palavra “Anúncio”. Mas, além dos mecanismos de busca, também podem aparecer em redes sociais, blogs, portais, dentre outros.

Se dá para aparecer de graça no Google, por que então pagar por isso? É que, com links patrocinados é possível ter resultados rápidos e previsíveis, ainda que com pouco investimento. Isso porque as campanhas podem ser segmentadas de acordo com diversas características.

Para ir para o topo pago do Google, empresas utilizam o Google Ads (anteriormente Google AdWords), plataforma que representa a principal fonte de receita da companhia de Mountain View. A primeira versão da plataforma foi lançada em 2000 e, desde então, é líder do mercado. A segmentação e atração de público qualificado, que tenha relação com o negócio, estão entre os principais trunfos do Google Ads.

O anúncio que aparece nos resultados de busca é chamado de Rede de Pesquisa. Fica em destaque no início de no fim da página, com o pequeno aviso que alerta tratar-se de mídia paga. São ADS indicados para quem quer alcançar um público que busca soluções específicas.

Vinde contemplai as obras do Senhor, as desolações que tem feito na terra. Ele faz cessar as guerras até os confins da terra; quebra o arco e corta a lança; queima os carros no fogo.

Salmos 46:8-9