Tag: manobras de ressuscitação

22/04/2021

Ataque Cardíaco

Ataque Cardíaco ou Infarto do Miocárdio

Ataque cardíaco exige socorro imediato e as manobras de ressuscitação

mesmo que aplicadas por um leigo, aumentam as chances de sobrevivência.

No último dia 26 de junho, milhares de pessoas em todo o mundo que acompanhavam Camarões x Colômbia pela Copa das Confederações viram mais que um jogo de futebol: assistiram, de camarote, à morte do jogador camaronês Marc-Vivien Foe.

O acontecimento chocou o mundo por Foe ser um atleta e ter apenas 28 anos e chocou ainda mais os médicos por causa do atendimento de emergência que o jogador recebeu no estádio.
Não é possível dizer que ele teria sido salvo, mas os profissionais ouvidos pela Folha foram unânimes em afirmar que, caso os procedimentos tivessem sido aplicados corretamente -como fazer manobras de ressuscitação de imediato, e não sete minutos depois, como ocorreu-, talvez Foe tivesse tido alguma chance.

Nos Estados Unidos, 450 mil pessoas morrem a cada ano por ataque cardíaco maciço, denominado também morte súbita. Na Europa, esse número sobe para 500 mil. No Brasil, dados de 1998 apontam que 159.256 pessoas sucumbem todo ano, o que significa 820 óbitos por dia ou uma morte a cada minuto. Cerca de 95% das mortes ocorrem antes de a vítima chegar a um pronto-socorro.

A morte súbita cardíaca, segundo Sergio Timerman, 45, presidente da Fundação Interamericana do Coração e membro do Comitê Mundial de Emergência, é uma interrupção entre os sistemas elétrico e mecânico do coração, que ocorre subitamente, 50% das vezes sem que a vítima tenha história prévia de problemas cardíacos. Não é o mesmo que infarto do miocárdio -necrose de parte do coração provocada por obstrução de artéria.

De acordo com ele, a morte súbita cardíaca, no mundo, mata mais que armas de fogo, acidentes de carro, Aids e câncer de próstata e de mama juntos.

Apesar do nome, a vítima de morte súbita, se socorrida rápida e corretamente, pode se recuperar. E essa possibilidade não depende só do sistema de emergência, que, em algumas cidades, como São Paulo, deixa a desejar. Os primeiros socorros (veja quadro), mesmo que executados por leigos, são fundamentais para que o final da história não seja o mais trágico. Se não socorrido, alguém com parada cardiorrespiratória -que pode ser decorrência da morte súbita ou de outros problemas- perde, a cada minuto, 10% da chance de sobreviver.

No entanto, cerca de 90% das mortes súbitas ocorrem por fibrilação ventricular (caos elétrico, o coração bate acelerada e desordenadamente), que pode ser corrigida somente com equipamento de choque, o chamado desfibrilador.

Por isso os médicos defendem que todos os lugares em que haja concentração de pessoas tenham o aparelho. Atualmente, já existem desfibriladores que até “falam” português, desenvolvidos para serem utilizados por leigos. O acesso público ao desfibrilador é uma tendência mundial já adotada por diversas cidades. Especialistas afirmam que, por ano, 50 mil vidas a mais poderiam ser salvas com um sistema de emergência mais efetivo, que contemple o acesso público ao desfibrilador, que custa cerca de US$ 5.000.00.

Um leigo que presencie um ataque cardíaco não tem como saber se o paciente está fibrilando, daí a importância de fazer os procedimentos de emergência mesmo sem haver um desfibrilador.
Foi a rapidez do socorro que “ressuscitou”, como disseram os médicos à época, João Alberto Zani, 59, dono de uma indústria de móveis em Araras (SP). Às 9h30 de uma sexta de março, Zani teve uma parada cardíaca quando atendia ao telefone e foi levado a um posto dos bombeiros, a poucos minutos de sua fábrica.

O Corpo de Bombeiros de Araras faz parte do SAMU (Serviço de Atendimento Municipal de Urgência) local, projeto piloto implantado há cerca de um ano e meio por iniciativa do cardiologista Dr. Agnaldo Pispico, 37, diretor do centro de emergência da SOCESP (Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo).
O sistema permitiu que a sobrevida de casos de parada cardiorrespiratória tenha crescido de 1,65% para 10,85%. A meta, diz Pispico, é de 30% em cinco anos.

Boa Notícia: Zani não só sobreviveu como voltou ao batente 50 dias depois de ter saído do hospital

Veja Também: Ataque Cardíaco
Divulgue estas informações a tantas pessoas quanto possível.
Você pode estar salvando muitas vidas!

Journal of General Hospital Rochester nº 240

A maldição do Senhor habita na casa do ímpio, mas ele abençoa a habitação dos justos. Ele escarnece dos escarnecedores, mas dá graça aos humildes.

Provérbios 3:33-34
22/04/2021

Infarto do Miocárdio ou Ataque Cardíaco

O que é Ataque Cardíaco?

Ataque Cardíaco ou Infarto do Miocárdio

O infarto do miocárdio ou infarto agudo do miocárdio, também conhecido como ataque cardíaco, é a morte das células de uma região do músculo do coração por conta da formação de um coágulo que causa a interrupção do fluxo sanguíneo por obstrução das artérias coronarianas de forma súbita e intensa.

A primeira causa de morte entre pessoas de 35 a 65 anos é o infarto. Nessa faixa, 30% das vítimas terão morte súbita. São aqueles casos em que a pessoa nunca sentiu nada, nunca teve sintomas e de repente cai sem consciência, sem pulso, sem respirar. A chance de ela viver é exclusivamente a chegada desse aparelho a tempo. Cada minuto de retardo significa 10% a menos de chance de sobrevivência. Ou seja, com dez minutos de espera, essa chance é praticamente zero; diz Dr. Agnaldo Píspico, cardiologista e especialista em emergência.

Você um dia Pode Precisar Saber Disto!

Digamos que às 4 e meia da tarde (16:30h), você está indo para casa, sozinho, de carro, depois de um dia bastante pesado no serviço. Não só porque trabalhou bastante, como também porque você teve uma discussão com seu chefe e não houve jeito de fazê-lo entender seu ponto de vista. Você está realmente aborrecido e quanto mais pensa sobre o assunto, mais tenso você fica…
De repente, você sente uma dor muito forte no peito, que se irradia pelo braço e sobe até o queixo. Você está a uns 8 (oito) quilômetros do hospital mais próximo e não tem  certeza se vai conseguir chegar até lá…

O que fazer?

Se você fez ou não um curso de primeiros socorros não importa muito, mas o que o instrutor se esqueceu de acrescentar é o que fazer quando a vítima é você mesmo ???
Como conseguir sobreviver a um ataque cardíaco se estiver sozinho?
Não pense que é um caso impossível de acontecer pois, é muito frequente as pessoas passarem por essa situação!
Sem assistência, a pessoa cujo coração para de funcionar adequadamente e que começa a sentir que vai desmaiar, tem apenas 10 segundos antes de perder a consciência!

Então o que fazer para sobreviver quando estiver sozinho?

RESPOSTA:

Essas vítimas podem ajudar a si mesmas tossindo com força repetidas vezes. Inspire antes de tossir, tussa profunda e prolongadamente, como quando está expelindo catarro de dentro do peito.

Repita a sequência inspirar/tossir a cada dois segundos, até que chegue algum auxílio ou até que o coração volte a funcionar normalmente.

A inspiração profunda leva oxigênio aos pulmões e a tosse contrai o coração e faz com que o sangue circule. A pressão da contração no coração também o ajuda a retomar o ritmo normal
Desse modo, uma vítima de um ataque cardíaco pode fazer uma ligação telefônica e, entre as inspirações, pedir ajuda.

Veja Também: Ataque Cardíaco – Manobras de Ressuscitação
Divulgue estas informações a tantas pessoas quanto possível.
Você pode estar salvando muitas vidas!

Journal of General Hospital Rochester nº 240

Porque o perverso é abominação para o Senhor, mas com os retos está o seu segredo.

Provérbios 3:32